Topo

EI retrocede no leste de Kobani devido ao avanço das forças curdas

15/10/2014 11h25

(Atualiza com avanço dos curdos).

Beirute, 15 out (EFE).- O grupo radical Estado Islâmico (EI) recuou de suas posições nesta quarta-feira no leste da cidade curdo-síria de Kobani, na fronteira com a Turquia, diante do avanço das forças curdas, que repeliram vários ataques dos jihadistas, informou o Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH).

As Unidades de Proteção do Povo Curdo (YPG, sigla em língua curda) conseguiram progredir no bairro de Kani Arabane, na metade leste da cidade, onde tomaram dois pontos após enfrentamentos com os radicais.

Hoje, o EI lançou vários ataques a partir do mercado de verduras de Al Hal e da parte oeste de um complexo governamental de segurança, cujo controle foi tomado na semana passada, em uma tentativa de ganhar terreno.

Por outro lado, aviões da coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos sobrevoaram hoje a cidade, mas não efetuaram nenhum bombardeio.

Kobani é um dos três principais redutos dos curdos no norte da Síria e vem sendo alvo de investidas dos extremistas desde 16 de setembro.

Segundo o OSDH, o EI tem em seu poder quase metade da cidade, porém, as autoridades curdas garantem que os extremistas controlam menos de 30% de Kobani.

Ontem, o presidente dos EUA, Barack Obama, se mostrou "profundamente preocupado" com a ameaça do EI em Kobani e descreveu a ofensiva contra os jihadistas como uma campanha "de longo prazo", que incluirá "avanços e retrocessos".

"Neste momento, estamos focados nos combates na província de Al Anbar no Iraque e estamos profundamente preocupados pela situação dentro e nos arredores da cidade síria de Kobani, o que ressalta o desafio que o Estado Islâmico representa tanto no Iraque como na Síria", disse Obama.

"Os ataques aéreos da coalizão continuarão nessas duas regiões", acrescentou o presidente americano após uma reunião com o chefe do Estado-Maior Conjunto dos EUA, o general Martin Dempsey, e comandantes militares do alto escalão de 21 países para tratar a estratégia contra os radicais.

Mais Notícias