Topo

Estado Islâmico destrói sítio arqueológico do século 13 a.C. no Iraque

Visão aérea da cidade assíria de Nimrud, no Iraque atual - Unesco
Visão aérea da cidade assíria de Nimrud, no Iraque atual Imagem: Unesco

No Cairo

05/03/2015 19h04

O grupo jihadista Estado Islâmico destruiu nesta quinta-feira (5), no Iraque, o sítio arqueológico assírio de Nimrud, do século 13 a.C., informou o Ministério de Turismo e Antiguidades do país.

Em comunicado, o Ministério condenou estas "ações criminosas" e pediu ao Conselho de Segurança da ONU que realize uma reunião urgente para aplicar decisões em relação ao Iraque.

"O Iraque representa a primeira linha de defesa contra o EI, e é necessário cessar esta situação dramática pela qual o mundo civilizado está passando e fazer frente, juntos, a este ataque à cultura e à humanidade", acrescenta a nota.

Nimrud, conhecida na Bíblia como Kalakh, foi uma das capitais da Assíria e está localizada perto do rio Tigre, a cerca de 30 quilômetros a sudeste de Mossul, capital da província de Ninawa.

No dia 26 de fevereiro, o EI divulgou um vídeo pela internet que mostrava jihadistas destruindo dezenas de figuras do Museu da Civilização de Mossul, no Iraque, entre elas algumas da época assíria (séculos 8 e 7 a.C.).

Um dos jihadistas que aparecia no vídeo justificou esse ato de vandalismo afirmando que os povos da antiguidade adoravam ídolos "ao invés de Alá" e que o próprio profeta Maomé destruiu com suas mãos outras figuras de ídolos religiosos.

Integrantes do EI destroem obras de arte milenares no Iraque

Mais Notícias