PUBLICIDADE
Topo

Deslizamento de terra mata ao menos 30 e deixa 600 desaparecidos na Guatemala

Na Cidade da Guatemala

02/10/2015 19h10Atualizada em 03/10/2015 08h42

Pelo menos 30 pessoas morreram e mais de 600 estão desaparecidas após um deslizamento de terra registrado em uma cidade nos arredores da capital da Guatemala, afirmaram nesta sexta-feira (2) as autoridades locais.

"Temos 29 pessoas falecidas identificadas, e uma não identificada", disse Sergio Cabañas, comandante de incidentes da Conred (Coordenadoria Nacional para a Redução de Desastres).

O incidente ocorreu por volta das 21h30 locais de ontem (0h30 de sexta-feira em Brasília), em El Cambray II, a 22 quilômetros da capital, onde continuam os trabalhos de resgate, informou o secretário-executivo da Conred, Alejandro Maldonado.

Em entrevista coletiva, Maldonado afirmou que as vítimas fatais devem aumentar. Sobre a quantidade de desaparecidos, disse que os números ainda são "uma estimativa".

Até o momento, as autoridades conseguiram resgatar com vida 34 pessoas. Outras 48 desabrigadas foram acolhidas e há 125 imóveis afetados pelo deslizamento.

Deslizamento de terra na Guatemala - Moises Castillo/AP - Moises Castillo/AP
Equipes de resgate retiram pessoa de local onde ocorreu deslizamento de terra
Imagem: Moises Castillo/AP

A área danificada, de 169 metros, ocorreu devido a uma "combinação de fatores", segundo Maldonado, como presença do rio Platanitos, a erosão da região e algumas "drenagens ilegais".

O secretário-executivo da Conred pediu que a população não se aproxime do local do deslizamento e deixe que as equipes de resgate, com um total de 616 pessoas e 43 veículos, trabalhem livremente.

O presidente da Guatemala, Alejandro Maldonado, pai do titular da Conred, também participou da coletiva, acompanhado do ministro da Defesa, William Marsilla, e da coordenadora da ONU no país, Valerie Julliand.

O líder guatemalteco, que estava em uma cadeira de rodas devido a uma recente operação no joelho, chamou o deslizamento de "um fato infeliz" e afirmou que aconteceu por causa das fortes chuvas dos últimos dias.

Além disso, o presidente agradeceu ao trabalho desenvolvido por autoridades e voluntários, que desde o início atuaram "com muito afinco e esforço" para resgatar o maior número de pessoas com vida.

Inicialmente, a Conred declarou um alerta laranja, mas, devido à magnitude da emergência, elevou para vermelha em nível municipal.

O ministro da Defesa disse que os trabalhos de busca e resgate seguirão 24 horas por dia porque há esperança de encontrar sobreviventes.