Desnutrição e pobreza extrema são questões pendentes na A. Latina, diz FAO

Belém Delgado

Roma, 25 fev (EFE).- Apesar de ter reduzido a fome, a América Latina tem entre suas questões pendentes a desnutrição e pobreza extrema derivada da concentração "brutal" dos recursos, advertiu nesta quinta-feira o diretor da FAO, José Graziano da Silva.

O responsável brasileiro, que no sábado viaja ao México para participar na próxima semana da conferência regional da organização, destacou em entrevista à Agência Efe que a América Latina "vai muito mal em nutrição".

"Vimos crescer a obesidade sobretudo no Caribe, mas também no México e em países da América do Sul, sobretudo entre crianças e mulheres", afirmou.

Segundo sua opinião, os países não dedicam uma atenção especial à nutrição e nem limitam a quantidade de sal, açúcar e gorduras nos alimentos comercializados, além de não ter uma política orientada para a educação alimentar das crianças na escola.

Não é suficiente para a região ter cumprido com as metas de reduzir pelo menos pela metade o número de pessoas que passam fome (até 34,3 milhões) e sua proporção (5,5% da população), segundo as últimas estimativas da FAO.

Sobre os que ainda sofrem com a insegurança alimentícia, Silva considerou que a fome na região "está associada à pobreza extrema", vinculada por sua vez à má distribuição da riqueza.

Existe "uma concentração brutal dos meios de produção, sobretudo no acesso à terra e à água".

Da mesma forma que no resto do mundo, a fome na América Latina atinge mais a população rural e está relacionada com "a possibilidade dessa população ter um nível mínimo de renda", disse Silva, que mostrou sua preocupação pelo crescente número de jovens que entram no mercado de trabalho e correm o risco de trabalhar sem direitos.

Essa realidade convive na América Latina com o crescimento econômico dos últimos anos, impulsionado pelas exportações de minerais do Chile e Peru e as de produtos básicos agrícolas de países como Argentina e Brasil.

Segundo o diretor-geral, um exemplo desse contraste é visto no Paraguai, "que alcançou um avanço impressionante, mas não melhorou o acesso à terra e à irrigação, embora tenha grande disponibilidade de água".

Os representandes governamentais no México falarão do desenvolvimento rural e inclusão social, assim como da possível extensão da cobertura da FAO em países como os do Caribe, entre os mais afetados pela mudança climática e pelo fenômeno El Niño.

Outro motivo de alerta é o impacto do zika e, embora a liderança na ONU corresponda à Organização Mundial da Saúde por ser um assunto de saúde humana, o responsável da FAO reiterou que até o momento a única solução passa pela prevenção.

Evitar a procriação do mosquito transmissor do vírus e as águas estagnadas nas zonas rurais são algumas das recomendações das Nações Unidas, que também destacam o uso de certos larvicidas como precaução para não danar o meio ambiente.

"Este não é um problema dos governos, é da sociedade, e é preciso envolver todos nesse combate", sustentou.

Silva, que renovou seu mandato no ano passado à frente da FAO, se mostrou firme em seu trabalho de sensibilizar sobre esta e outras questões relacionadas com a agricultura e a alimentação.

Assim como esta organização de 70 anos de história promove as compras locais de pequenos produtores para abastecer escolas, também incentiva programas de agricultura familiar e agora pretende que 25 países assinem um acordo para conter a pesca ilegal e que o mesmo possa entrar em vigor em breve (por enquanto fazem parte 21 Estados).

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos