Operação Lava Jato

Escritórios da Odebrecht no Equador são alvo de operação de busca e apreensão

  • Rovena Rosa - Agência Brasil

    PF cumpre mandados da Lava Jato em prédio da Odebrecht em São Paulo

    PF cumpre mandados da Lava Jato em prédio da Odebrecht em São Paulo

Quito, 23 dez (EFE).- O Ministério Público do Equador realizou nesta sexta-feira uma operação de busca e apreensão nos escritórios da Odebrecht em Guayaquil, onde apreendeu documentos que podem estar relacionados com informações sobre propinas de mais de US$ 35,5 milhões a funcionários do governo.

Na operação, realizada durante a madrugada, foram apreendidas 23 pastas com papéis, três livros e 23 cadernos, além de dois CDs e quatro computadores portáteis, informou o Ministério Público.

Os agentes confiscaram, além disso, uma CPU (unidade central de processamento) e dois HDs externos, ainda segundo a Procuradoria, que solicitou assistência penal sobre este caso a Estados Unidos, Brasil e Suíça.

A operação aconteceu em dois escritórios que ficam em um centro comercial da cidade portuária e, de acordo com o Ministério Público em sua conta no Twitter, buscava "evidências documentais, materiais e digitais que poderiam ser relacionados" com o caso.

Odebrecht e Braskem assinam acordo de leniência

O Procurador-geral, Galo Chiriboga, considerou nesta quinta-feira que os relatórios solicitados aos EUA e ao Brasil sobre as possíveis ramificações do assunto no Equador darão a "base suficiente" para investigar os supostos subornos a funcionários do governo equatoriano.

"Com as informações que o Brasil tem e a enviada ao Departamento de Justiça dos EUA, teremos uma base suficiente para trabalhar", disse Chiriboga.

O Departamento de Justiça dos EUA, segundo documentos publicados nesta semana, afirmou que a Odebrecht pagou aproximadamente US$ 788 milhões em propinas em 12 países de América Latina e África, incluindo o Brasil.

O relatório do Departamento de Justiça indica que no Equador, entre 2007 e 2016, a construtora fez pagamentos de mais de US$ 35,5 milhões a "funcionários do governo", o que gerou lucros de mais de US$ 116 milhões.

Por que a delação da Odebrecht aterroriza os políticos?

O governo equatoriano, por sua vez, disse nesta quinta-feira que não descarta que tenha havido "pagamentos ou atos de corrupção" da empresa brasileira que envolvam funcionários, mas afirmou que sua atuação em relação com essa companhia foi correta e lembrou que foi expulsa do país em 2008, embora depois voltou a prestar serviços terceirizados para o Estado.

Além disso, o governo exigiu que sejam revelados os nomes das pessoas envolvidas em supostos atos corruptos.

O secretário jurídico da presidência, Alexis Mera, disse que quando o presidente Rafael Correa chegou ao poder, encontrou "sérias irregularidades" em relação ao projeto da central hidrelétrica de San Francisco, mas não há provas de "depósitos e nem cheques".

Após a retirada da Odebrecht, em 2008, a companhia voltou a prestar serviços terceirizados ao Estado equatoriano em julho de 2010 e participou de cinco obras que foram "auditadas pela Controladoria Geral do Estado", segundo a Secretaria Nacional de Comunicação (Secom).
 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos