Trégua é respeitada em geral na Síria, mas com algumas violações pontuais

Cairo, 30 dez (EFE).- As primeiras horas de trégua nesta sexta-feira na Síria entre as forças leais ao presidente Bashar al Assad e as facções rebeldes transcorreram em relativa calma e sem que houvesse o registro de mortes entre civis, segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH) e grupos rebeldes.

De acordo com o OSDH, às 2h locais (22h de Brasília da quinta-feira), apenas duas horas depois do início do cessar-fogo, explodiram alguns enfrentamentos violentos entre as forças do regime e grupos rebeldes islamitas nos arredores da população de Tella al Biyu, no norte da província de Hama.

Os combates causaram a morte de pelo menos seis combatentes leais ao governo de Assad.

O OSDH também informou sobre confrontos intermitentes na região de Guta Ocidental, principal reduto rebelde na periferia de Damasco, assim como disparos de combatentes do regime contra a população de Sakik, no sul da província de Idlib, controlada por milícias opositoras.

O rebelde Exército Livre Sírio (ELS) também denunciou em um breve comunicado várias violações do cessar-fogo e questionou a capacidade das autoridades de controlar as milícias que lutam ao lado das forças regulares.

Segundo o ELS, mais de 40 grupos paramilitares sírios e de outras nacionalidades combatem junto com as tropas de Assad.

O cessar-fogo foi estabelecido por Rússia e Turquia e aceito ontem tanto pelo Comando Geral do Exército e das Forças Armadas da Síria, como pelas facções rebeldes do país.

Ambas as partes, que deixaram claro que o grupo jihadista Estado Islâmico (EI) não tem qualquer relação com a trégua, diferem, no entanto, na inclusão ou não da Frente da Conquista do Levante (antiga Frente al Nusra, ex-braço sírio da Al Qaeda).

Para as autoridades sírias, a Frente da Conquista do Levante, que luta ao lado de outras facções rebeldes em várias partes do país, está fora do acordo. No entanto, para a oposição armada, todo território no qual elas estão presentes está dentro da interrupção de hostilidades.

Horas antes do começo da trégua, o ministro de Relações Exteriores da Síria, Walid Muallem, afirmou em entrevista à emissora de televisão estatal que o acordo é "uma oportunidade real de conseguir uma solução política para o conflito" em seu país.

Muallem afirmou que esta oportunidade pode "pôr fim ao derramamento de sangue na Síria e encontrar um futuro para o país".

O ministro sírio insistiu que o EI e a Frente da Conquista do Levante não estão incluídos no acordo, por isso o exército seguirá lutando contra eles.

A trégua tem como objetivo preparar o terreno para uma nova rodada de negociações, prevista para o fim de janeiro na capital do Cazaquistão, Astana.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos