Opositores venezuelanos vão ao Supremo rejeitar sentença contra parlamento

Caracas, 30 mar (EFE).- Um grupo de deputados opositores venezuelanos compareceu nesta quinta-feira ao Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) para rejeitar a sentença publicada ontem que determina que a Sala Constitucional assumirá as competências da Assembleia Nacional (AN, parlamento), enquanto esta se mantiver em "desacato".

O deputado Juan Requesens, do partido Primeiro Justiça (PJ), no qual milita o duas vezes candidato presidencial Henrique Capriles, foi um dos legisladores que chegou à sede do Poder Judiciário em Caracas e criticou a gritos a sentença em questão.

"Estamos aqui para defender a vontade de um povo, vamos seguir lutando pela Venezuela e pelos jovens (...) nós vamos continuar na rua", disse Requesens a jornalistas após enfrentar a empurrões um cordão militar que protegia o local.

O deputado ressaltou que a maioria opositora que controla a AN não acatará a sentença.

"Que nos agridam o quanto queiram, nós vamos seguir lutando (...) viemos devolver essa sentença ao TSJ para que a metam por onde não cabe", acrescentou.

Por sua parte, o deputado Carlos Paparoni pediu, também a gritos, que o presidente do Supremo, Maikel Moreno, mostre a cara.

"Se eles (a alta corte) não pretendem dar-nos a paz que o povo está buscando, então que eles também não tenham paz", bradou Paparoni, que também trocou empurrões com agentes da Guarda Nacional Bolivariana (GNB, polícia militarizada).

Os deputados convocaram os cidadãos à "rebeldia", perante o que consideraram um "golpe de Estado", que já foi denunciado pelo presidente do Legislativo, Julio Borges.

Por outro lado, algumas dezenas de simpatizantes do governo gritaram "fora" aos manifestantes e cantaram palavras de ordem em favor do Supremo e do chavismo.

O TSJ disse que a situação de "desacato" da AN se dá pelo descumprimento de várias sentenças e que, enquanto se mantiver, todos os atos legislativos são nulos e carecem de validade.

Este "desacato" se iniciou no ano passado, depois que a junta diretiva do parlamento decidiu incorporar três deputados indígenas cuja posse tinha sido suspensa cautelarmente pelo máximo tribunal depois que o chavismo assegurou que sua eleição foi fraudulenta.

A oposição acusou os magistrados do TSJ de serem aliados do chavismo, de não cumprirem com os requisitos para serem juízes e de terem sido nomeados pela maioria governista do parlamento anterior em uma apressada sessão parlamentar dias antes que acabasse seu mandato no Legislativo no final de 2015.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos