Em 2 meses de operação contra terrorismo, Paquistão matou 108 e prendeu 4.510

Islamabad, 17 abr (EFE).- O Exército paquistanês informou nesta segunda-feira da morte de 108 supostos insurgentes e a detenção de 4.510 pessoas desde 22 de fevereiro, quando lançou uma operação antiterrorista que "está restabelecendo o controle do Estado".

"O povo, o Estado e as instituições do Paquistão fizeram considerável progresso na melhoria da situação de segurança", disse, em uma coletiva de imprensa, o diretor do escritório de comunicação militar (ISPR), general Asif Ghafoor.

Ele indicou que desde o início da operação Radd-ul-Fasaad ("Eliminação da discórdia") foram abatidos em "troca de tiros" 108 supostos insurgentes. O general também anunciou que Ehsanullah Ehsan, ex-porta-voz do principal grupo insurgente do país, o Tehrik-i-Taliban Pakistan (TTP), e um de seus líderes se renderam.

Esta é a primeira vez que as autoridades dão números desta operação. Ela começou depois de uma série de atentados, cujo ápice foi um ataque a um templo sufi em 16 de fevereiro. A ação matou 83 pessoas. No dia seguinte, o Exército indicou que "mais de 100" supostos insurgentes tinham sido abatidos.

Os dados do Exército, que não podem ser confirmado de forma independente, foram divulgados no mesmo dia em que o assessor de Segurança dos Estados Unidos, o tenente-general H.R. McMaster, visitou o país, na primeira viagem de um importante funcionário do governo de Donald Trump.

O ISPR informou que, até o momento, foram executados 24 dos 161 condenados à morte em tribunais militares e que 14 novos enforcamentos acontecerão "em brave".

O órgão também divulgou informações da situação dos sem documentos no país. Ao todo, 1.859 afegãos em situação ilegal foram detidos, ao mesmo tempo em que prossegue a construção de um muro na fronteira de 2.600 quilômetros com o Afeganistão. O Paquistão quer construir 744 quilômetros de cerca em Khyber Pakhtunkhwa e 100 quilômetros nas zonas tribais de Bajour e Mohmand.

A Radd-ul-Fasaad é a continuação da operação Zarb-e-Azb, que aconteceu em zonas tribais em junho de 2014 e na qual 3.400 supostos insurgentes morreram. Conforme as autoridades do país, a operação ajudou a reduzir significativamente a ameaça terrorista no país.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos