Topo

Mubarak reaparece após quase 2 anos para depor em julgamento de Mursi

26/12/2018 12h50

Cairo, 26 dez (EFE).- O ex-presidente do Egito, Hosni Mubarak, apareceu nesta quarta-feira em público pela primeira vez desde que saiu do hospital em março de 2017, onde cumpriu pena, para prestar depoimento como testemunha no julgamento de seu sucessor, Mohammed Mursi.

Mubarak, deposto na revolução de 2011, chegou ao Tribunal do Cairo caminhando com uma bengala e entrou na sala de julgamento com a ajuda de seus filhos, Gamal e Alaa, que o seguraram pelos braços, de acordo com imagens da televisão egípcia.

O ex-ditador, de 90 anos, prestou depoimento em um caso no qual Mursi e outros líderes do grupo islamita Irmandade Muçulmana são acusados de ajudarem a entrar no Egito combatentes armados do grupo palestino Hamas, oriundos da Faixa de Gaza, em 2011.

Desde que saiu do hospital no qual cumpria pena em março de 2017, Mubarak, de 90 anos, só tinha sido visto em duas fotos.

Uma dessas imagens foi feita na praia com sua família e a outra foi divulgada recentemente nas redes sociais, depois que surgiram rumores sobre seu estado de saúde.

No depoimento, o ex-presidente egípcio disse que foi informado pelo chefe do serviço de inteligência da época, Omar Suleiman, que 800 pessoas armadas entraram no país através de túneis na fronteira com a Faixa de Gaza nos primeiros dias da revolução de janeiro de 2011.

Este grupo, segundo Mubarak, entrou no Egito para "colaborar com a Irmandade Muçulmana e criar caos" na revolução de 25 de janeiro.

Não obstante, o ex-ditador se negou a responder várias perguntas da juíza relativas a segredos de Estado, por não ter recebido permissão expressa da presidência egípcia.

O "faraó", que governou o Egito com punho de ferro durante 30 anos (1981-2011), foi detido em abril de 2011 e libertado em março de 2017.

Mubarak cumpriu uma única pena, por apropriação de recursos públicos, e depois foi absolvido em outro julgamento no qual era responsabilizado pela morte de 239 manifestantes pela repressão violenta dos protestos que acabaram com seu mandato entre janeiro e fevereiro de 2011. EFE

Mais Notícias