PUBLICIDADE
Topo

Sistema de saúde da Argentina está no limite com avanço da pandemia

04/09/2020 12h08

Buenos Aires, 3 set (EFE).- O sistema de saúde de partes da Argentina está à beira de um colapso durante a pandemia do novo coronavírus, particularmente nas províncias com menor capacidade hospitalar, enquanto o debate sobre estratégia de saúde está crescendo no contexto de uma das quarentenas mais longas do mundo, e os médicos estão apelando para uma maior consciência social entre a população.

O presidente do país vizinho, Alberto Fernández, advertiu que poderia apertar o "botão vermelho" e voltar a uma fase de endurecimento das medidas de contenção e retornar à fase 1 se a situação piorar.

"O mais importante para mim é que as pessoas têm a possibilidade de serem tratadas em um hospital, se ficarem doentes. E há muitos lugares onde o uso de leitos de terapia intensiva cresceu significativamente. Não vou permitir que essa situação chegue a um ponto de colapso", declarou Fernández em entrevista à emissora argentina "Todo Noticias".

O risco de colapso do sistema de saúde tornou-se a principal ameaça à medida que a curva de infecção da Argentina aumentava constantemente após mais de cinco meses de medidas de restrição para impedir a circulação do vírus. Porém, recentemente as pessoas voltaram às ruas, e as atividades produtivas, após terem sido paralisadas no final de março, recuperaram-se em cerca de 90%.

Argentina registrou até agora 439.172 casos de coronavírus e 9.155 mortes por Covid-19, enquanto 322.461 foram recuperados da infecção. A região metropolitana de Buenos Aires (Amba), que inclui a capital e sua periferia populosa, com cerca de 14 milhões de habitantes, continua sendo o epicentro da pandemia com cerca de 84% do contágios.

No entanto, nas últimas semanas o vírus SARS-CoV-2 se espalhou rapidamente pelo país, e 18 dos 24 distritos registram agora transmissão comunitária sustentada. Vários deeles tiveram um regime de distanciamento social mais frouxo devido à ausência de casos, e seus sistemas de saúde passaram a estar em alerta devido ao risco de transbordamento.

SISTEMA DE SAÚDE E MÉDICOS PERTO DO COLAPSO.

A ocupação de leitos de terapia intensiva para todos os tipos de patologia atingiu 61,1% nacionalmente e 68,8% na Amba, mas já entrou em colapso nas cidades de Cipolletti e General Roca, na província de Río Negro, e atingiu 90% em Mendoza e Jujuy, como confirmaram as autoridades sanitárias nacionais.

A saturação do sistema de saúde também está registrada no centro da cidade de Buenos Aires. O renomado Hospital de Clínicas tem 70 de seus 72 leitos de UTI ocupados, segundo informações passadas hoje pelo diretor do centro médico, Marcelo Melo, em entrevista à "Radio Mitre".

A Sociedade Argentina de Terapia Intensiva emitiu um comunicado no qual advertia seus membros que sentem que estão perdendo a batalha e que os recursos para salvar pacientes com coronavírus estão se esgotando.