PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Bolívia vincula assassinos de presidente haitiano com suposto ataque a Arce

19/10/2021 03h46

La Paz, 18 out (EFE).- O ministro do Interior da Bolívia, Eduardo Del Castillo, vinculou membros do grupo que matou em julho o presidente haitiano Jovenel Moïse a uma tentativa de assassinato contra o atual presidente do país sul-americano, Luis Arce, em 2020, quando ele venceu as eleições.

"Houve uma tentativa de desestabilizar o país através de um plano elaborado para impedir que nosso candidato e atual presidente, Luis Arce Catacora, assumisse o mandato emanado das urnas, e na Bolívia houve uma tentativa de assassinato", disse Del Castillo em uma entrevista coletiva em La Paz.

O ministro ofereceu detalhes baseados em áudios e documentos, nos quais Luis Fernando López, ex-ministro da Defesa do governo da presidente interina Jeanine Áñez, supostamente fez acordos com empresas estrangeiras "para trazer assassinos e paramilitares" dos Estados Unidos e da Colômbia para a Bolívia.

Del Castillo disse que um boliviano estava encarregado de contatar o "pessoal" que queria "fazer um atentado contra a vida de Arce" contratando "trezentos assassinos" e um plano que poderia envolver "mais de 10 mil homens".

O ministro boliviano afirmou que o ex-capitão do Exército colombiano Germán Alejandro Rivera García, que está entre os 21 responsáveis pelo assassinato do presidente haitiano, esteve na Bolívia entre 16 e 19 de outubro de 2020 para atuar no suposto plano, de acordo com informações das "células de inteligência partidária" do Movimento ao Socialismo (MAS), a legenda governista.

Del Castillo disse que, diante desta informação, antes e depois das eleições gerais de 18 de outubro de 2020 militantes do MAS criaram uma "cápsula de segurança" e impediram que Arce aparecesse em "lugares abertos".

O ministro também vinculou o suposto plano a Emanunel Intriago Valera, "um conhecido opositor venezuelano", que dirige uma empresa de segurança americana, e a Arcángel Pretel Ortiz, que, segundo ele, foi responsável pelo recrutamento das pessoas que participaram do assassinato no Haiti.

Moise foi morto em 7 de julho em sua residência na capital do Haiti, Porto Príncipe, por um grupo armado formado por 48 pessoas, incluindo 18 colombianos e dois americanos de origem haitiana, que foram presos como parte da investigação do crime. EFE