PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Rússia afirma que 771 membros da resistência em siderúrgica se renderam

19/05/2022 15h48

Moscou, 19 mai (EFE).- O Ministério da Defesa da Rússia divulgou nesta quinta-feira que 771 combatentes ucranianos, todos integrantes do Batalhão Azov, que atuavam na resistência da siderúrgica de Azovstal, em Mariupol, se renderam.

A informação foi dada em boletim matinal apresentado pelo major-general Igor Konashenkov, porta-voz da pasta.

"Um total de 1.730 militantes, incluídos 80 feridos, se renderam desde 16 de maio", disse o militar.

"Todos aqueles que precisam de tratamento hospitalar recebem assistência em instituições médicas", completou, explicando que o encaminhamento é feito para unidade de saúde em Novoazovsk, controlada pela Rússia através da república popular e Donetsk, ou na cidade de Donetsk.

Konashenkov não revelou quantos combatentes ucranianos seguem refugiados na siderúrgica de Azovstal, após três dias do que é classificado como "rendição".

O governo da Ucrânia, por sua vez, aponta que a retirada da resistência é uma operação de "evacuação", feita a partir do processo de negociação.

O Ministério da Defesa russo publicou um vídeo com a saída dos 771 combatentes da usina, em que é possível ver vários deles caminhando com dificuldades, vários com curativos nos braços, pernas e rosto.

Kiev quer trocar os integrantes da resistência por prisioneiros russos, mas Moscou ainda não se manifestou publicamente sobre a possibilidade, que encontra resistência no Parlamento e dos separatistas pró-russos do Donbas.

Alguns deputados, inclusive, têm pedido condenação com sentença de pena de morte para alguns integrantes do Batalhão Azov, que são considerados "criminosos de guerra". EFE