Peru congela US$7,7 milhões de suspeitos em investigação sobre Odebrecht

LIMA (Reuters) - Autoridades do Peru disseram na quinta-feira que congelaram 7,7 milhões de dólares em ativos de indivíduos, entre eles o ex-presidente Alejandro Toledo, investigados como parte de um inquérito sobre a empreiteira brasileira Odebrecht.

A empresa fez um acordo com procuradores dos Estados Unidos e do Brasil e admitiu ter pago propinas em 12 países para obter contratos. As acusações de tráfico de influência de Toledo, que governou entre 2001 e 2006, são parte da investigação peruana.

Oito outras pessoas foram incluídas no congelamento de ativos, que foi adotado para garantir o pagamento de multas futuras daqueles que forem condenados por acusações relacionadas à Odebrecht, informou um comunicado emitido pela Procuradoria-Geral do Peru.

Os ativos embargados incluem quatro carros de Toledo, que está morando nos EUA. Não foi possível contactar os porta-vozes da Odebrecht e de Toledo para obter comentários.

A empreiteira está impedida de participar de novas licitações para obras de infraestrutura no Peru e tenta negociar acordos de leniência na Colômbia, no Equador, México, Panamá, República Dominicana e Venezuela.

Nesta semana a Argentina proibiu a Odebrecht de concorrer em licitações de obras públicas por 12 meses.

(Por Marco Aquino)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos