Apenas 5 brasileiros concentram riqueza equivalente à da metade mais pobre do país, diz relatório

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Os cinco maiores bilionários brasileiros concentram juntos riqueza equivalente à da metade mais pobre da população do país, revelou relatório da Oxfam publicado nesta segunda-feira.

Os empresários Jorge Paulo Lemann (AB Inbev), Joseph Safra (Banco Safra), Marcel Herrmann Telles (AB Inbev), Carlos Alberto Sicupira (AB Inbev) e Eduardo Saverin (Facebook) são, segundo ranking da revista Forbes, os cinco brasileiros mais ricos, com uma fortuna total de 84,9 bilhões de dólares.

"O que vemos é um aumento absurdo da concentração de renda e riqueza no mundo, provocando mais pobreza e o aumento das desigualdades. Isso mostra que a economia segue sendo muito boa para quem já tem muito e péssima para quem tem pouco", disse Katia Maia, diretora executiva da Oxfam Brasil, em comunicado.

O levantamento "Recompensem o trabalho, não a riqueza", divulgado na véspera da abertura do Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça, indicou também que o patrimônio somado dos bilionários brasileiros cresceu 13 por cento em 2017, chegando a 549 bilhões de dólares.

No mesmo período, entretanto, a metade mais pobre do Brasil viu sua fatia da renda nacional cair de 2,7 por cento para 2 por cento, sinal de que a economia brasileira sofre com um "vício sistemático de aumento de desigualdade", advertiu Rafael Georges, coordenador de Campanhas da Oxfam Brasil.

"Seria um sinal de prosperidade se todo mundo ganhasse, mas a partir do momento em que a gente tem um topo que sobe e uma base que desce, isso não é sinal de prosperidade. Isso é sinal de uma patologia na nossa economia.", disse Georges.

O levantamento ilustra a situação de desigualdade social no Brasil, considerado o 3º país mais desigual da América Latina, e o 10º mais desigual do mundo, pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud).

Para Georges, um caminho para combater as desigualdades no Brasil inclui a revisão do sistema tributário, maiores gastos sociais e uma revisão das políticas trabalhistas, especialmente após a implementação da reforma trabalhista.

A nível internacional, o relatório também revelou que de toda a riqueza gerada no mundo no último ano, 82 por cento ficou nas mãos do 1 por cento mais rico, e nada ficou com os 50 por cento mais pobres. "A desigualdade precisa ser combatida desde agora, hoje, amanhã. A economia tem que funcionar para todo mundo", disse Georges.

(Por Maria Clara Pestre)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos