PUBLICIDADE
Topo

Tribunal do Paquistão condena Nawaz Sharif a sete anos de prisão por corrupção

24/12/2018 11h56

Por Saad Sayeed

ISLAMABAD (Reuters) - Uma corte paquistanesa determinou a prisão, nesta segunda-feira, do ex-primeiro-ministro Nawaz Sharif por sete anos, por acusações de corrupção num processo que ele diz ter motivações políticas.  

Na sentença, o tribunal responsável afirmou que Sharif, ex-primeiro-ministro por três mandatos, não conseguiu provar a fonte dos recursos que o levaram a se tornar proprietário de uma siderúrgica na Arábia Saudita.

Sharif foi condenado em julho a 10 anos de prisão pelo mesmo tribunal, depois de a Suprema Corte o ter afastado do cargo, sob acusações relativas à compra de apartamentos de luxo em Londres. Em setembro, ele obteve o direito de recorrer em liberdade nesse caso.

Apoiadores de Sharif afirmaram que ele irá recorrer novamente.

“A apelação é nosso direito, vamos protestar, mas vamos nos manter pacíficos”, disse o ex-primeiro-ministro Shahid Khaqan Abbasi, que sucedeu Sharif no ano passado, a jornalistas do lado de fora do tribunal, em Islamabad.

Sharif foi afastado do cargo e considerado inapto a exercer a função pela Suprema Corte em julho de 2017, tendo sua prisão ordenada no início deste ano. Ele foi efetivamente preso em 13 de julho, após voltar de Londres.

Nesta segunda, o tribunal que julgou Sharif deliberou sobre duas acusações ligadas ao patrimônio do ex-primeiro-ministro: a propriedade da siderúrgica Al-Azizia, na Arábia Saudita, iniciada por seu pai em 2001; e a empresa Flagship Investments, criada por seu filho, Hasan Nawaz, e dona de imóveis de luxo no Reino Unido.

Sharif foi considerado culpado da primeira acusação, relacionada aos detalhes de como sua família obteve o controle da siderúrgica. Ele foi absolvido da segunda acusação.

Sharif nega as acusações, que diz terem motivação política. Ele acusou os militares e os tribunais de conspirarem para encerrar sua carreira política e desestabilizar o partido Liga Muçulmana do Paquistão.

Antes um favorito dos poderosos generais paquistaneses, Sharif depois entrou em conflito com os militares.

Os militares negam exercer qualquer influência sobre o julgamento de Sharif. Antes do veredito, centenas de apoiadores de Sharif entraram em confronto com a polícia em frente ao tribunal.

(Reportagem adicional de Syed Raza Hasan)