PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
15 dias

Talibã pede a companhias aéreas que retomem voos para o Afeganistão

13.ago.2021 - Combatente do Talibã fica de guarda enquanto um avião da Pakistan International Airlines, o primeiro voo comercial internacional a pousar desde que o Talibã retomou o poder no mês passado no Afeganistão, decola com passageiros a bordo no aeroporto de Cabul - Karim Sahib/AFP
13.ago.2021 - Combatente do Talibã fica de guarda enquanto um avião da Pakistan International Airlines, o primeiro voo comercial internacional a pousar desde que o Talibã retomou o poder no mês passado no Afeganistão, decola com passageiros a bordo no aeroporto de Cabul Imagem: Karim Sahib/AFP

James Mackenzie

26/09/2021 15h12Atualizada em 26/09/2021 16h34

O governo do Talibã no Afeganistão pediu neste domingo a retomada dos voos internacionais, prometendo cooperação total com as companhias aéreas e dizendo que os problemas no aeroporto de Cabul foram resolvidos.

A declaração do Ministério das Relações Exteriores vem no exato momento em que o novo governo intensifica esforços para abrir o país e ganhar aceitação internacional após o colapso do governo apoiado pelo Ocidente no mês passado.

Um número limitado de voos de apoio e de passageiros está operando no aeroporto. Mas os serviços comerciais normais ainda não foram retomados, uma vez que o local foi fechado após a evacuação caótica de dezenas de milhares de estrangeiros e afegãos vulneráveis que se seguiu à tomada da capital pelo Talibã.

O aeroporto, que sofreu danos durante a evacuação, foi reaberto com o auxílio de equipes técnicas do Catar e da Turquia.

Embora algumas companhias aéreas, como a Pakistan International Airlines, ofereçam serviços limitados e algumas pessoas tenham conseguido lugares nestes voos, os preços relatados das passagens estão muitas vezes mais altos do que o normal.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Abdul Qahar Balkhi, disse que a suspensão dos voos internacionais deixou muitos afegãos presos no exterior e também impediu as pessoas de viajarem para trabalhar ou estudar.