PUBLICIDADE
Topo

Britney comparece diante de tribunal em processo contra o pai, que a mantém sob tutela desde 2008

23/06/2021 17h13

Sob controversa tutela legal desde 2008, a cantora pop Britney Spears comparece nesta quarta-feira (23) a um tribunal de Los Angeles em mais um capítulo na batalha contra o pai pelo controle dos seus negócios. As finanças e assuntos pessoais da estrela de 39 anos têm sido amplamente gerenciados por Jamie Spears desde que ela teve um colapso nervoso em público há mais de uma década. Desde que a situação se tornou pública, milhares de fãs lançaram a campanha online #FreeBritney.

Sob controversa tutela legal desde 2008, a cantora pop Britney Spears comparece nesta quarta-feira (23) a um tribunal de Los Angeles em mais um capítulo na batalha contra o pai pelo controle dos seus negócios. As finanças e assuntos pessoais da estrela de 39 anos têm sido amplamente gerenciados por Jamie Spears desde que ela teve um colapso nervoso em público há mais de uma década. Desde que a situação se tornou pública, milhares de fãs lançaram a campanha online #FreeBritney.

Britney Spears raramente falou de forma direta sobre o assunto em todos esses anos, mas terá a oportunidade com a juíza Brenda Penny por meio de videoconferência nesta quarta-feira. "Britney quer se dirigir ao tribunal diretamente", informou seu advogado Samuel Ingham em abril, sem especificar os motivos por trás do pedido da cantora.

Espera-se que Spears queira abordar os termos de sua tutela e, especificamente, o papel de controle do seu pai, com quem ela tem um relacionamento difícil. A cantora entrou com um pedido no ano passado para retirá-lo da tutela e ter poder exclusivo sobre seus bens. Seu advogado, nomeado pelo tribunal, disse que ela estava "com medo" do pai.

Documentos judiciais confidenciais publicados na terça-feira (22) pelo New York Times afirmam que Spears disse a um investigador do tribunal que a tutela "se tornou uma ferramenta opressora e de controle contra ela" desde 2016. A cantora afirmou, segundo os documentos divulgados pelo jornal, que o sistema de tutela a controlava e que isso a impedia de tomar suas próprias decisões sobre amizades, compromissos, despesas e até coisas banais, como a cor dos móveis de sua cozinha.

Segundo o relatório citado pelo diário, a artista disse ao investigador que queria que a tutela terminasse o mais rápido possível e que estava "cansada de que se aproveitassem dela". Spears é atualmente responsável por pagar as contas legais de ambas as partes, incluindo as altas taxas cobradas pelos advogados que trabalham para o pai no caso.

Framing Britney Spears

A polêmica em torno do caso de Spears ganhou mais espaço após o lançamento do documentário "Framing Britney Spears" em fevereiro, que relata o processo que levou ao seu colapso e à nomeação de seu pai como tutor. O filme também mostrou como um exército de fãs devotos da cantora buscam incansavelmente por pistas em suas contas nas redes sociais sobre seu bem-estar ou quaisquer sinais de que algo possa estar acontecendo com ela.

Após se divorciar de Kevin Federline em 2006 e perder a custódia de seus filhos no ano seguinte, os paparazzi a fotografaram descalça em um posto de gasolina com a cabeça raspada. Colocada sob a tutela de seu pai em seguida, Spears rapidamente voltou à ativa. Ela lançou três álbuns, apareceu em vários programas de televisão e até aceitou uma temporada como artista residente em Las Vegas. Mas em janeiro de 2019, ela anunciou abruptamente que suspenderia suas apresentações até segunda ordem.

Spears declarou recentemente que ficou "envergonhada" com sua imagem no documentário, no qual seus fãs denunciam que ela é uma prisioneira e afirmam que ela tem enviado pedidos criptografados de ajuda por meio de suas redes sociais.

Os advogados de Jamie Spears dizem que o pai fez um excelente trabalho gerenciando as finanças da filha. Mas um juiz decidiu, em fevereiro, que as finanças da estrela pop deveriam ser supervisionadas não apenas pelo pai, mas também pela empresa Bessemer Trust, negando a tentativa de Jamie Spears de manter o poder exclusivo dos negócios.

(Com informações da AFP)