Malaysia Airlines e Boeing enfrentam 1ª ação judicial por sumiço de avião

Do UOL, em São Paulo

Um escritório de advocacia que representa familiares dos passageiros do voo MH370, desaparecido desde 8 de março, entrou com uma petição por informações à Malaysian Airlines, operadora do voo, e à Boeing, fabricante da aeronave, afirmou a agência Reuters.

O pedido foi feito pela firma americana Ribbeck Law, depois do anúncio feito pelo governo da Malásia, na última segunda-feira (24) de que o avião caiu no oceano Índico, sem deixar sobreviventes..

De acordo com nota divulgada pelo escritório nesta quarta-feira (26), a petição visa obter evidências de eventuais defeitos ou outros fatores que possam ter contribuído para o desastre, dando o primeiro passo para um processo multimilionário em favor dos familiares.

"Acreditamos que ambos os réus mencionados são responsáveis pelo desastre do voo MH370", disse na nota Monica Kelly, advogado que lidera a ação, ainda de acordo com a Reuters. 

Um advogado envolvido no caso disse à BBC: "Nossa teoria é que houve uma folha no equipamento na cabine de comando que pode ter levado a tripulação a ficar inconsciente, ou talvez por causa de defeitos na fuselagem que já foram reportados antes houve uma perda de pressão na cabine que deixou piloto e copiloto inconscientes."

 

A petição foi feita em nome do indonésio Januari Siregar, cujo filho, Firman Chandra Siregar, estava no voo.

 

Segundo Kelly, outras petições devem ser formalizadas nos próximos dias e podem incluir outros réus que tenham desenhado ou produzido componentes da aeronave que possam ter falhado --incluindo componentes elétricos, máscaras de oxigênio, sistemas de alarme de incêndio, baterias e outros.

 

A ação pede que o juiz ordene à Malaysia Airlines que forneça informações sobre o treinamento dos tripulantes para incidentes catastróficos, práticas de segurança e outros dados. Pede ainda a identidade da pessoa ou da companhia responsável pela última inspeção e pela manutenção da aeronave. 

 

A empresa também solicitou que cientistas americanos fazem parte das buscas pelos destroços e pelos corpos. 

A Boeing e a Malaysia Airlines não comentaram o caso. 

O Boeing 777 da Malaysia Airlines decolou de Kuala Lumpur rumo a Pequim na madrugada de 8 de março com 239 ocupantes, mas desapareceu dos radares civis da Malásia cerca de 40 minutos depois.

Notícias relacionadas

titulo-box Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos