52. Zezé Perrela (PDT-MG) é suspeito de enriquecimento ilícito

Data de Divulgação

2.jul.2011

O escândalo

O senador Zezé Perrella (PDT-MG) é suspeito de enriquecimento ilícito, lavagem de dinheiro e evasão de divisas, noticiou "O Globo" em 2.jul.2011. As investigações sobre o caso precisam de autorização do Supremo Tribunal Federal (STF) para começarem.

Perrella assumiu vaga no Senado pois é suplente de Itamar Franco (PPS-MG), que morreu em 2.jul.2011.

Além de político, Perrella é cartola de futebol. Presidente do Cruzeiro, ficou famoso por causa de "complicações com o Ministério Público e a Polícia Federal", afirmou o "Globo". Ele também foi deputado estadual em Minas Gerais de 2007 a 2011.

A Fazenda
Por volta do fim de maio de 2011, disse a reportagem de 2.jul.2011, a Promotoria de Defesa do Patrimônio Público de Minas abriu investigação para apurar como Perrella adquiriu uma fazenda no município de Morada Nova de Minas, produtora de grãos e gado.

"A propriedade valeria mais de R$ 50 milhões, apesar de Perrella ter declarado à Justiça Eleitoral, no ano passado [2010], patrimônio de R$ 490 mil, numa denúncia feita inicialmente pelo jornal "Hoje em Dia"", disse "O Globo".

A fazenda Guará está em nome da Limeira Agropecuária e Participações Ltda., empresa registrada em nome dos filhos do senador: Carolina Perrella Amaral e Gustavo Henrique Perrella, eleito deputado estadual em 2010.

Em 2010, segundo "O Globo", a Polícia Federal já havia indiciado Zezé Perrella por lavagem de dinheiro e evasão de divisas na venda do jogador Luisão, em 2003. "O inquérito foi remetido ao Ministério Público Federal. O zagueiro foi negociado por US$ 2,5 milhões com o empresário Juan Figger, que teria usado o Central Espanhol Futebol Clube, time uruguaio de pouca expressão, como "laranja" na operação. Em seguida, o jogador foi vendido por US$ 1 milhão a menos ao Benfica. Segundo a PF, o esquema teria sido usado para ocultar dinheiro não declarado ao Fisco", afirmou a reportagem.

Os jatos particulares
Nos últimos 18 meses como deputado estadual, Zezé Perrella apresentou 29 notas fiscais de abastecimento de seus dois jatinhos particulares, no total de R$ 26,3 mil, informou "O Globo" em 11.jul.2011. O valor foi reembolsado pela Assembleia Legislativa de Minas como despesa decorrente do exercício do mandato.

"Os aviões do político foram abastecidos em postos localizados não apenas em Belo Horizonte, cidade onde o político mora, mas também em Salvador e Brasília", relatou "O Globo".

O Senado
Zezé Perrella (PDT-MG) assumiu o mandato de senador em 11.jul.2011. "Perrela foi recebido no plenário pelo senador Aécio Neves (PSDB-MG), amigo e principal articulador de sua participação na chapa como suplente de Itamar Franco. Por ser filiado ao PDT, partido da base do governo, ele disse que não fará oposição à presidente Dilma Rousseff", publicou "O Globo" em 11.jul.2011.

Outro lado
Segundo texto publicado por "O Globo" em 2.jul.2011, o senador Zezé Perrella (PDT-MG) nega as acusações. O político afirma, de acordo com a reportagem, que "doou" seus bens aos filhos.

Sobre os jatinhos, Perrella disse, segundo o jornal publicou em 11.jul.2011, que não se sentia constrangido por abastecê-los com verba pública, por se tratar de viagens relacionadas à sua atividade política.

O que aconteceu?

A Polícia Federal apura indícios de lavagem de dinheiro na aquisição da fazenda do senador Zezé Perrella (PDT-MG) e investimentos feitos na propriedade, noticiou "O Globo" em 2.jul.2011.

Em 11.jul.2011, "O Globo" noticiou que "a Promotoria de Defesa do Patrimônio Público de Minas Gerais decidiu investigar o uso da verba indenizatória da Assembleia Legislativa do estado pelo ex-deputado estadual e atual senador Zezé Perrella (PDT-MG). Os promotores pretendem solicitar as notas originais e relatórios de reembolso dos gastos do parlamentar com combustível entre 2007 e 2010, período em que Perrella exerceu mandato como deputado estadual em Minas".

 

Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos