STF julga cotas raciais em universidades públicas

Os ministros também devem continuar a discussão sobre a constitucionalidade dos critérios do Prouni (Programa Universidade para Todos)

Direto da Redação

  • Vídeos
  • Imagens
  • Infográficos
  • Todos

Por unanimidade, STF decide que cotas raciais em universidades públicas são válidas.

Leia Mais

"A partir dessa decisão, o Brasil tem mais um motivo para olhar no espelho da história e não se corar de vergonha", disse o ministro Ayres Brito no encerramento da sessão.

Para Ayres Britto "ninguém tem mais ou menos merecimento. Ninguém é mais ou menos dotado de carácter".

“A nação é como um rio, da nascente à foz. A nação é uma só”, disse o ministro Ayres Britto.

O presidente do STF, ministro Ayres Britto, fala neste momento.

Com o voto de Celso de Mello, o placar já está em 9x0 a favor das cotas raciais.

Leia Mais

O ministro Celso de Mello justifica o seu voto citando fatos históricos e dados internacionais a respeito do racismo.

O ministro Celso de Mello é quem vota neste momento.

O voto de Marco Aurélio Mello é a favor das cotas raciais em universidades públicas. O placar já está em 8x0.

Leia Mais

“Democracia não combina com discriminação”, diz o ministro Marco Aurélio.

Indígena é expulso do plenário durante julgamento sobre cotas raciais no STF

Leia Mais

O voto agora é do ministro Marco Aurélio.

A maioria dos ministros do STF votou a favor das cotas raciais em universidades públicas. Com o voto de Gilmar Mendes, o placar já está em 7x0 a favor das cotas.

Leia Mais

Segundo Gilmar Mendes, o modelo da UnB tem virtudes e defeitos. "Padece do vício de utilizar apenas o critério racial".

"Só chega à universidade quem passou por escolas privadas", afirma Gilmar Mendes.

Quem vota agora é o ministro Gilmar Mendes.

Com o voto de Cezar Peluso, o placar já está em 6x0 a favor das cotas raciais.

Leia Mais

Segundo o ministro Cezar Peluso, o diploma garante o patrimônio educacional dos negros e compensa a possibilidade de reprovação no pós-universidade.

Em aparte a Cezar Peluso, o ministro Gilmar Mendes diz que "o modelo de vestibular prestigia os alunos das escolas privadas".

A palavra agora é do ministro Cezar Peluso.

Joaquim Barbosa também vota a favor de cotas em universidades; placar é de 5x0

Leia Mais

O ministro Joaquim Barbosa fala neste momento.

STF retoma o julgamento das cotas raciais em universidades públicas.

A sessão será interrompida por 30 minutos.

Com voto de Cármen Lúcia, placar no STF é de 4x0 a favor das cotas

Leia Mais

A palavra agora é da ministra Cármem Lúcia.

Com o voto de Rosa Weber, cotas para negros em universidades federais já têm três votos favoráveis no STF.

Leia Mais

"As cotas não ferem o critério do mérito", afirma a ministra Rosa Weber.

Para a ministra Rosa Weber "o sistema de cotas visa facilitar o acesso à universidade brasileira com vista ao equilíbrio às oportunidades sociais".

"A disparidade racial é flagrante na sociedade brasileira. A pobreza tem cor", diz a ministra Rosa Weber.

Quem fala agora é a ministra Rosa Weber.

Fux vota a favor de cotas para negros em universidades; placar está em 2x0 no STF

Leia Mais

"O Neguinho da Beija-flor tem origem euro-étnica. É possível, mas não é visível", disse o ministro Luiz Fux.

O julgamento é retomado com a palavra do ministro Luiz Fux.

O ministro Ayres Britto pede a suspensão temporária do julgamento para retirada de manifestantes.

O presidente do STF, o ministro Ayres Britto, tenta manter a ordem no julgamento e pede silêncio.

"A opressão racial dos anos da sociedade escravocrata deixou cicatrizes que refletem no campo da escolaridade", disse o ministro Luiz Fux.

Antes de começar seu voto, o ministro criticou uma proposta da Câmara, aprovada na Comissão de Constituição e Justiça nesta quarta (25), que autoriza o Congresso a derrubar atos do STF. "A instância reflexiva do poder Judiciário só se instala quando há uma inação do Parlamento", disse.

Para o ministro Luiz Fux, ?a supressão da liberdade é algo que atinge o cerne da humanidade?.

Neste momento, quem fala é o ministro Luiz Fux.

Começa segundo dia de julgamento no STF sobre cotas raciais em universidades públicas

Leia Mais

STF retoma julgamento sobre cotas raciais em universidades públicas nesta quinta-feira

Leia Mais

O ministro Ayres Britto encerra a sessão devido ao horário e falta de quórum. O julgamento será retomado nesta quinta (26).

Relator de processo no STF vota a favor de cotas para negros em universidades públicas

Leia Mais

"O exemplo que temos hoje é o presidente dos Estados Unidos", disse o ministro Joaquim Barbosa.

Para o ministro Ricardo Lewandoski ?uma criança negra que vê um negro ocupando posição de destaque na sociedade projeta-se naquela posição?.

"Qualquer critério adotado colocará candidatos em vantagem e desvantagem, porém é preciso observar o ganho para a sociedade como um todo", disse o ministro Ricardo Lewandowski.

O ministro Ricardo Lewandowski cita exemplos de ações afirmativas que começaram a ser aplicadas na Índia para assegurar proteção e igualdade entre grupos.

Agora, quem fala é o relator, ministro Ricardo Lewandowski.

STF retoma julgamento sobre cotas raciais em universidades públicas.

A sessão será suspensa para intervalo de 30 minutos.

Para Déborah Duprat, vice-procuradora-geral da República, as cotas raciais visam promover a diversidade étnica e não resolve a questão social.

Quem fala neste momento é a vice-procuradora-geral da República Déborah Duprat.

O ex-ministro da Justiça, Marcio Thomaz Bastos, ocupa a tribuna neste momento.

Agora fala Thiago Lopes Jovens, da ONG Educação e Cidadania de Afrodescendentes e Carentes.

Silvia Cerqueira, do Movimento Negro Unificado, fala neste momento.

"Enquanto se discute a constitucionalidade das cotas, os cotistas já se formaram", afirma Humberto.

Fala agora Humberto Adami Santos Junior, do Instituto de Advocacia Racial e Ambiental.

O defensor público-geral da União, Haman Tabosa, ocupa a tribuna neste instante.

Agora, o presidente da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), Ophir Cavalcanti, realiza seu discurso.

Para Vanda Marisa, o problema do Brasil é a pobreza e não a cor da pele. "É a pobreza que discrimina, que mata?, afirma a advogada.

Neste momento, a advogada do Instituto de Direito Público e Defesa Comunitária Popular, Vanda Marisa Gomes Siqueira, fala sobre o desvirtuamento do espírito de cotas.

"No meu primeiro dia de aula a professora pediu para contarmos se entramos por cota ou não. Isso promove a igualdade, a democracia?", disse Juliana.

De acordo com Juliana Ferreira Correa, representante do Movimento Pardo-Mestiço Brasileiro, o sistema de cotas incita a segregação dos brasileiros pela cor de sua pele.

Para Luís Inácio Lucena Adams, advogado-geral da União, se o Brasil quiser se tornar um país integrado, de primeiro mundo e exemplo para o resto do mundo, precisa resgatar e reafirmar a realidade multicultural do país.

"Negro no Brasil só experimenta a ascensão social pelo futebol ou pelo narcotráfico. O sistema de cotas é belo e necessário", diz a procuradora federal Indira Ernesto Silva Quaresma.

"Não existe racismo bom, politicamente correto. Todo racismo é perverso e precisa ser evitado", afirma a procuradora Roberta Fragoso.

A procuradora Roberta Fragoso cita pesquisa da Associação Nacional dos Dirigentes de Ensino, que revela que "em dez anos de costas raciais, não houve o aumento de nem 1% dos alunos pobres na universidade".

O relator, ministro Ricardo Lewandoski, inicia a leitura de seu relatório.

Começa no STF a sessão que decidirá se as cotas raciais para reserva de vagas em universidades públicas são constitucionais ou não. Os ministros também devem continuar a discussão sobre a constitucionalidade dos critérios do Prouni (Programa Universidade para Todos).

STF julga nesta quarta se cotas raciais em universidades públicas são constitucionais

Leia Mais

Atualização em 20s

UOL Cursos Online

Todos os cursos