Topo

CarnaUOL

Anderson Baltar


Para conter gastos, Vila Isabel escolherá seu samba sem disputa na quadra

Unidos de Vila Isabel durante  o Desfile das Campeãs - Bruna Prado/UOL
Unidos de Vila Isabel durante o Desfile das Campeãs Imagem: Bruna Prado/UOL
Anderson Baltar

Anderson Baltar é jornalista, formado pela UFRJ e tem 42 anos. Com mais de 15 anos de experiência na mídia carnavalesca, foi assessor de imprensa da União da Ilha e Império Serrano, produtor de Carnaval da TV Globo e trabalhou em coberturas de desfiles nas rádios Manchete e Tupi. Desde 2011, é âncora e coordenador da Rádio Arquibancada, web rádio com programação inteiramente voltada para o Carnaval. Em 2015, lançou o livro "As Primas Sapecas do Samba", ao lado dos também jornalistas Eugênio Leal e Vicente Dattoli.

15/08/2019 16h14

Terceira colocada no Carnaval 2019, a Unidos de Vila Isabel perdeu três décimos no julgamento no quesito samba-enredo no julgamento. Para voltar a conquistar a nota máxima, a diretoria da azul e branca tomou uma decisão inédita no Carnaval carioca: aboliu a tradicional disputa de sambas realizada em sua quadra. Os sambas inscritos serão ouvidos no CD pelos dirigentes da escola e o vencedor será anunciado no dia 28 de setembro.

Em um ano em que várias escolas tomaram medidas para baratear os custos para os compositores, a Vila Isabel resolveu radicalizar. "A disputa de samba tem sido muito onerosa e afastando bons compositores. Desta forma, os participantes irão gastar apenas com a gravação no estúdio", afirma o diretor de Carnaval, Wilsinho Alves.

Com um modelo parecido ao que é adotado por algumas escolas em São Paulo, seis parcerias tradicionais da escola foram convidadas a participar e outros grupos procuraram a Vila para fazer parte da disputa. Wilsinho acredita que a escola receberá a inscrição de pelo menos 10 sambas, que deverão ser entregues no dia 10 de setembro. O regulamento proíbe a divulgação dos concorrentes pela internet ou qualquer outra forma de mídia - quem descumprir esta parte, será desclassificado.

Assim, ao contrário das eliminatórias nas quadras e do tradicional burburinho pelas redes sociais, a disputa da Vila se dará em total sigilo. Só ouvirão os sambas os diretores da escola, além do mestre de bateria, Macaco Branco, o intérprete, Tinga e o carnavalesco Edson Pereira. Na festa de lançamento dos protótipos das fantasias, o samba será apresentado à comunidade. Wilsinho afirma que a escola ainda não bateu o martelo se a divulgação do vencedor será feita antecipadamente: "Estamos avaliando. Seria interessante todos já chegarem à festa do dia 28 conhecendo o samba".

O diretor de Carnaval afirma que a decisão se deu pelo calendário espremido de escolha de sambas resultante da indefinição de rumos da Liesa (Liga Independente das Escolas de Samba) por conta da situação da Imperatriz Leopoldinense e da revertida renúncia do presidente Jorge Castanheira. "As escolas ainda não receberam verbas e a disputa também acarreta custos. Esta foi a solução que encontramos para o momento. Certamente, no ano que vem, voltaremos a fazer a disputa nos moldes normais", assegura Wilsinho, que pensa em eventos para movimentar a quadra e a ala de compositores. O tradicional concurso de sambas de terreiro deverá voltar a ser realizado em breve.