PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Paulo Sampaio


Grupo do setor funerário defende suspensão de velórios durante pandemia

14.mar.2019 - Velório dos corpos de seis das vítimas do massacre ocorrido na Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano - Felipe Rau/Estadão Conteúdo
14.mar.2019 - Velório dos corpos de seis das vítimas do massacre ocorrido na Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano Imagem: Felipe Rau/Estadão Conteúdo
Paulo Sampaio

Nascido no Rio de Janeiro em 1963, Paulo Sampaio mudou-se para São Paulo aos 23 anos, trabalhou nos jornais Folha de S. Paulo e Estado de S. Paulo, nas revistas Elle, Veja, J.P e Poder. Durante os 15 anos em que trabalhou na Folha, tornou-se especialista em cobertura social, com a publicação de matérias de comportamento e entrevistas com artistas, políticos, celebridades, atletas e madames.

Colunista do UOL

24/03/2020 06h00

Um grupo de profissionais do setor funerário criou um comitê para defender o fim dos velórios durante a pandemia do covid-19. Eles entendem que, após o óbito no hospital, o corpo deve ser manipulado por apenas um funcionário da funerária, que o envolverá em um saco com zíper e, em seguida, o colocará em um caixão lacrado e conduzido diretamente para o túmulo.

Graças à pressão do grupo, o governo de São Paulo publicou ontem a resolução SS-32, de 20 de março, que "dispõe sobre as diretrizes para manejo e seguimento dos casos de óbito no contexto da pandemia". A resolução determina que o caixão deverá permanecer lacrado, mas, no geral, não deixa claro se os velórios devem ser suspensos — o que significa que o risco de contaminação permanece.

"A gente consegue as coisas a passos de formiga. O caixão lacrado foi uma pequena vitória, mas isso não basta", diz a a tanatopraxista (profissional que faz a assepsia do cadáver) Carolina "Nina" Maluf, uma das 17 profissionais que integram o comitê, composto por donos de funerárias, agentes, tanatopraxistas e docentes do segmento do Brasil e da América do Sul.

Nada de aglomeração

Nina explica que o risco de contágio se estende ao velório propriamente dito, já que amigos e parentes do morto se aglomeram no mesmo ambiente.

"Você junta na sala dez pessoas, vinte, a possibilidade de transmissão aumenta muito. Imagine que entre no lugar uma senhora de idade, que pertence ao grupo mais vulnerável, e tenha ali dentro alguém infectado. Funciona como em qualquer evento. É aglomeração de gente? Tem de ser terminantemente proibido."

Ela lembra que "as autoridades sanitárias recomendam reduzir ao máximo o contato social". "Eles falam em manter a distância de pelo menos um metro durante uma conversa. Num funeral, todos se abraçam, se beijam, se cumprimentam", diz Nina, que trabalha na área há mais de 15 anos e parou de contar o número de rostos que reconstituiu ou apenas maquiou quando chegou em 8.543.

O consultor funerário Marcos Scheffer, de Campo Belo, sul de Minas, relata com preocupação a realização de velórios, especialmente em templos evangélicos e capelas particulares de agências, que reúnem "verdadeiras multidões". "Entre ontem e hoje, foram dois. Não dá para controlar, até porque é um costume típico dessa região (ajuntamento de muitas pessoas em velórios)."

Sem exceção

O agente funerário Thiago Mathias, que também é técnico em tanatopraxia e faz parte do comitê, sustenta que nas condições atuais todos os velórios devem ser suspensos, inclusive em casos em que a morte não foi ocasionada pelo coronavírus

"O sistema funerário no Brasil é muito precário. O corpo da pessoa que morre de covid-19 em um hospital é colocado em uma maca de aço inoxidável, antes de ser envolvida no saco com zíper; essa maca logo será ocupada por outro corpo, não necessariamente de uma vítima de covid-19. Esse outro corpo eventualmente será velado em caixão aberto."

Thiago lembra que o aço inoxidável é a uma das superfícies mais favoráveis à sobrevivência do vírus, que pode resistir ali durante 72 horas. "A eventual contaminação, no outro velório, levaria a uma nova rede de infectados."

Tanto Thiago quanto Nina e Marcos acreditam que a situação é emergencial, muito grave, e não pode ser negligenciada pelos profissionais da área. "Como tanatopraxista e maquiadora de cadáveres, eu estou me arriscando a dar um tiro no pé. Mas prefiro ter a consciência limpa. Não posso defender uma prática tão perigosa nesse momento, em favor do lucro de um setor de empresários."

Caixão com vidro

O comitê foi criado para reagir à orientação da Abredif (Associação Brasileira de Empresas e Diretores do Setor Funerário), cujo presidente, Lourival Panhozzi, acredita que é possível realizar velórios com segurança, desde que os caixões estejam lacrados. "Os entes queridos do morto vão vê-lo através de um vidro", explica.

Panhozzi encaminhou um documento ao ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, sugerindo "uma normativa que regulamente protocolos unificados, de acordo com o procedimento em cada região do Brasil". Pela normativa, "fica suspensa, enquanto estiver vigorando o período de calamidade pública nacional, a preparação de corpos pela técnica da tanatopraxia ou qualquer outro meio similar".

Quem manipula?

De acordo com Panhozzi, é possível fazer o transporte do corpo do hospital para o cemitério com segurança: "O processo, em caso de corpos de vítimas do covid-19, envolve o mínimo possível de funcionários da funerária", garante. "E os que realizam a operação são orientados a não manipular o corpo desnecessariamente."

Para garantir que a cadeia de procedimentos é segura, o empresário afirma em um vídeo postado nas redes sociais que ele mesmo faria o serviço — mas não chegou a executar. Desde então, ele já divulgou novos vídeos "retificando" a opinião que tinha nas filmagens postadas inicialmente. "A gente vai se atualizando o tempo todo", diz.

Drama psicológico

Em sua defesa da realização de velórios, Panhozzi acredita que "ainda dá para resguardar um mínimo de dignidade"."É muito difícil mexer com o sentimento das pessoas no momento mais delicado da vida delas. Imagine a mãe de uma criança de cinco anos que não pode ver o filho pela última vez. Você impede isso, pode causar um drama psicológico incalculável."

Panhozzi alega que "não tem como substituir essa mão de obra". "Se o meu pessoal cai, adeus", diz o empresário, dono da Prever, rede de funerárias que se espalha por todo o estado de São Paulo.

Nota da Anvisa

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) soltou uma "nota técnica" a título de recomendação (não como norma) orientando a encaminhar o corpo direto para a cremação, o que não significa que o velório será evitado (a nota também não deixa claro). Para que o corpo seja cremado, exige-se na certidão de óbito a assinatura de dois médicos.

Os agentes funerários questionam o trecho da nota em que "a Anvisa orienta que se deve limpar as secreções da boca e do nariz com compressas". Thiago Mathias reafirma que, na atual conjuntura, o corpo deve ser acondicionado diretamente no saco, fechado com zíper, colocado no caixão e enviado para a cremação.

"Se não vai haver velório, não há necessidade de expor o agente a um risco desnecessário (limpeza das secreções)", diz.

Paulo Sampaio