PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Paulo Sampaio


Quem vive no buraco é rato, diz apoiador de Bolsonaro em manifestação em SP

O núcleo duro do ato contra o isolamento social durante a pandemia do coronavírus - Nando Matheus
O núcleo duro do ato contra o isolamento social durante a pandemia do coronavírus Imagem: Nando Matheus
Paulo Sampaio

Nascido no Rio de Janeiro em 1963, Paulo Sampaio mudou-se para São Paulo aos 23 anos, trabalhou nos jornais Folha de S. Paulo e Estado de S. Paulo, nas revistas Elle, Veja, J.P e Poder. Durante os 15 anos em que trabalhou na Folha, tornou-se especialista em cobertura social, com a publicação de matérias de comportamento e entrevistas com artistas, políticos, celebridades, atletas e madames.

Colunista do UOL

05/04/2020 18h09Atualizada em 07/04/2020 13h22

Cerca de 30 apoiadores do presidente Jair Bolsonaro se reuniram hoje (5) em frente à Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), na avenida Paulista, para protestar contra o isolamento social durante a pandemia de coronavírus. O encontro foi convocado por integrantes de grupos de whatsapp.

O ato era muito pequeno, mas enquanto aglomeração, desaconselhável. Mesmo assim, os poucos que usavam máscara diziam que não era por prevenção, apenas "em consideração às outras pessoas".

"Esse vírus é uma farsa! Nunca existiu! Alguém aqui conhece uma pessoa que esteja com ele?", perguntava, a plenos pulmões, o engenheiro Antônio Carlos Bronze, 64 anos.

Todos: "Nããããoooo!"

Indignado, Bronze esbravejava que precisou mandar para casa mais de 60 funcionários de sua empresa: "Vem trabalhar! Quem vive em buraco é rato!"

Para o engenheiro Antônio Carlos Bronze, que dispensou mais de 60 funcionários de sua empresa, "esse vírus é uma farsa" - Nando Matheus
Para o engenheiro Antônio Carlos Bronze, que dispensou mais de 60 funcionários de sua empresa, "esse vírus é uma farsa"
Imagem: Nando Matheus

Sem máscara nem álcool

Sempre que o sinal fechava, a florista Josi Guimarães, 51, erguia no meio da avenida uma bandeira do Brasil. "Não uso máscara nem álcool, e não fui infectada. Eu sou patriota, quero que o nosso país volte à normalidade!"

De acordo com Josi, o (mini)ato chegou a contar com cem pessoas, mas uma parte desceu para a Alesp (Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo). Ela lamentou: "Pena que você (repórter) chegou só agora. Tinha muito mais gente."

O militar da reserva Jurandir Alencar, 58, pediu um minuto de atenção à coluna para explicar sua teoria: "As pessoas têm morrido de outras comorbidades. O covid-19 apareceu na China em setembro, outubro, estourou no mundo, chegou aqui no Carnaval, e desde então foi amplamente disseminado. Isso criou resistência ao vírus. Muita gente já está imunizada. Foi um tiro no pé da esquerda (China)."

A florista Josi Guimarães diz que é patriota e por isso quer que seu país "volte à normalidade"; ao fundo, o consultor Claudio Rosel - Nando Matheus
A florista Josi Guimarães diz que é patriota e por isso quer que seu país "volte à normalidade"; ao fundo, o consultor Claudio Rosel
Imagem: Nando Matheus

Os incríveis

De uma caixa de som saía a versão gravada em 1970 pelo grupo "Os Incríveis" da música "Eu te Amo meu Brasil", considerada o hino da ditadura militar.

Bronze sobe na jardineira e grita que a ditadura, assim como o coronavírus, nunca existiu. Ele brada o nome do general Newton Cruz — muito ativo no regime da repressão — e do SNI (Serviço Nacional de Informação), que foi um dos mais importantes instrumentos de controle dos opositores do governo militar.

"O que houve foi uma ação para não entregar o Brasil para os comunistas chineses!!"

O engenheiro e outros dois manifestantes estendem uma bandeira do Brasil junto com a de Israel. "Eles (israelenses) estão com a gente. Os Estados Unidos também, o Japão, e todos os países de direita da América do Sul. Sai do micro e vai para o macro", sugere Jurandir Andrade.

Quarentena vertical

O consultor empresarial Cláudio Rosel, 53, também cita Israel. Defensor da "quarentena vertical" (que propõe o isolamento social apenas para as pessoas dos grupos considerados mais vulneráveis, como o de idosos e pacientes de doenças crônicas), ele afirma que aquele país nunca seguiu a orientação do isolamento horizontal:

"Nem a Holanda, nem a Suécia! A população saudável tem de sair às ruas, para contrair o vírus e criar imunidade para o resto. Se ficar todo mundo em casa, a gente nunca vai resolver isso."

Na Paulista, motoristas a todo instante gritavam: "Bolsonaro imbecil! Vai pra casa, seus idiotas!" e eram xingados de volta. Um ou outro dava buzinadas de apoio à manifestação.

A advogada Eliane Maffei acha que "tem de dar cloroquina logo no início" - Nando Matheus
A advogada Eliane Maffei acha que "tem de dar cloroquina logo no início"
Imagem: Nando Matheus

Para a advogada Eliane Maffei, 53, "os médicos têm de usar a cloroquina (medicamento antimalárico testado para combater o covid-19) logo no começo, não dá para esperar. A Itália esperou, olha no que deu!" Não há consenso na comunidade médica sobre o uso da cloroquina no combate ao vírus.

"Meu pai teve malária várias vezes, tomou muita cloroquina. Ele não pega o vírus de jeito nenhum!"

Paulo Sampaio