PUBLICIDADE
Topo

Paulo Sampaio

Gestão Doria pede a chef menu para pobres e disponibiliza receita no ebook

O chef Flávio Dias, Morena Leite e a secretária do Desenvolvimento Social Celia Parnes - Paulo Sampaio/UOL
O chef Flávio Dias, Morena Leite e a secretária do Desenvolvimento Social Celia Parnes Imagem: Paulo Sampaio/UOL
Paulo Sampaio

Nascido no Rio de Janeiro em 1963, Paulo Sampaio mudou-se para São Paulo aos 23 anos, trabalhou nos jornais Folha de S. Paulo e Estado de S. Paulo, nas revistas Elle, Veja, J.P e Poder. Durante os 15 anos em que trabalhou na Folha, tornou-se especialista em cobertura social, com a publicação de matérias de comportamento e entrevistas com artistas, políticos, celebridades, atletas e madames.

Colunista do UOL

20/09/2020 04h00

O governo do estado de São Paulo está preocupado com o menu que as famílias em situação de extrema pobreza vão preparar com 1,3 milhão de caixas distribuídas no programa "Alimento Solidário".

Para que as pessoas que eventualmente passam fome não corram o risco de enjoar comendo sempre a mesma coisa, a secretária do Desenvolvimento Social, Celia Parnes, pediu à chef Morena Leite, do estrelado restaurante Capim Santo, instalado no Museu da Casa Brasileira, em São Paulo, que criasse pratos com itens da caixa — arroz, feijão, milho, ervilha, composto lácteo, linguiça, farinhas de mandioca e milho, molho de tomate, leite, açúcar e sal. Morena topou graciosamente.

Igual no restaurante

De acordo com estimativa da Prefeitura, uma caixa de alimentos do programa é suficiente para abastecer por um mês uma família de quatro pessoas. São 18 itens que, juntos, somam R$ 110.

"Tudo o que eu vou fazer aqui, eu sirvo no Capim", garante Morena, que na quinta-feira se reuniu com a secretária para dar uma "provinha" do que estará no menu. As famílias em estado de extrema pobreza poderão consultar as receitas no e-book, ou no instagram do programa.

Trata-se de uma oferta imperdível. Uma salada no Capim Santo pode custar R$ 42, e um almoço completo, R$ 141. A chef atribui a diferença de preços, comparando com os da caixa, aos encargos que ela paga no restaurante. "Tem salário de funcionário, aluguel do espaço, custo da mercadoria, toda a estrutura."

Alimentos da caixa de R$ 110; ingredientes picados pelos auxiliares da chef; e, ao fundo, as panelas Le Creuset - Paulo Sampaio/UOL - Paulo Sampaio/UOL
Alimentos da caixa de R$ 110; ingredientes picados pelos auxiliares da chef; e, ao fundo, as panelas Le Creuset
Imagem: Paulo Sampaio/UOL

DNA tropical, técnica francesa

Morena Leite cresceu em Trancoso (BA), para onde seus pais foram em busca de "um estilo de vida mais natural". Aos 16 anos, trocou o litoral sul da Bahia por Paris, a fim de estudar na centenária escola de culinária Cordon Bleu. Apesar da formação clássica, ela explica que desenvolveu um estilo muito pessoal: "Meu trabalho tem muito do emocional. Gosto de brincar com os sentidos, explorar sabores e revisitar pratos tradicionais."

O site do restaurante informa que "o DNA de cozinha brasileira tropical da chef Morena Leite se baseia no tripé culinária saudável com técnica francesa e ingredientes brasileiros".

Jantar para princesa espanhola

Em uma demonstração de sua frugalidade, a chef conta que serviu ravióli de tapioca com queijo e molho de ervas fondant, em um jantar para a princesa Elena de Espanha, filha do rei Juan Carlos. De sobremesa, tarte tatin de banana com castanha, e um shot de cachaça Boa Vida.

A dada altura da explanação do programa, é possível imaginar a família em situação de extrema pobreza morando no Castelo de Coca, na Segóvia.

Castelo de Coca - Reprodução - Reprodução
Castelo de Coca
Imagem: Reprodução

O governador João Doria Jr. é seu cliente desde 2005.

Panela Le Creuset

"O auge da sofisticação é a simplicidade", continua Morena, enquanto mexe uma farofa em uma panela francesa de ferro feita a mão Le Creuset . "Eu sou farofeira. Adoro todas, de milho, de mandioca, de tapioca, de pipoca..."

Celia Parnes: "Lá em casa tem farofa todo dia."

Parnes diz que adora cozinhar, mas infelizmente não consegue ir para o fogão todos os dias porque não tem tempo. A dona de casa da família em extrema pobreza tem.

Não precisa saber ler

O melhor, segundo Morena, é que ninguém precisa ser alfabetizado para se sair bem na cozinha. Ela cita o chef paraibano Genivaldo: "Ele não sabe um 'a' de português, e faz pratos incríveis. Já cozinhou para eventos grandes em Paris, Indonésia e Dubai. Mais que cultura, é preciso sabedoria", acredita.

Para Morena, "a vida é dura para quem é mole". "Não acredito que exista desemprego em São Paulo", afirma ela, seguindo um pouco a escola de Bia Doria.

Os ingredientes usados nos pratos foram previamente picados e colocados em vasilhas pelos auxiliares da chef — um recurso de que a dona de casa extremamente pobre talvez não disponha.

Pasta al dente

Os pratos estão quase prontos: espaguete (al dente) com ervilha, linguiça e molho branco; espaguete com molho de tomate e sardinha; e arroz, farofa de feijão com linguiça e creme de milho. "A gente é contra a 'chiqueza'. Não tem de ser caro, tem de ser saboroso", ensina Morena.

A sobremesa é uma deliciosa torta feita com biscoito de maizena amassado e umedecido, coberta com casca de maracujá cozida. "Nossa, vocês sabiam que dava para aproveitar a casca do maracujá?", pergunta a secretária Celia Parnes aos que estão por perto.

A famigerada torta feita com biscoito de maizena amassado, creme de milho e casca de maracujá cozida - Paulo Sampaio/UOL - Paulo Sampaio/UOL
A famigerada torta feita com biscoito de maizena amassado, creme de milho e casca de maracujá cozida
Imagem: Paulo Sampaio/UOL

Beiju com bacalhau

Não tem maracujá na cesta, porque fruta é perecível, explica Celia. Morena então diz que "dá para plantar tudo, maracujá, couve, que tem ferro, beterraba", e aponta o gramado de 6 mil metros quadrados nos fundos do museu. "Quer ver uma coisa deliciosa? Beiju de tapioca hidratado com suco de beterraba. Ideal para acompanhar um bacalhau."

"Hmmmm", diz Celia Parnes, momentaneamente esquecida de que na caixa não tem bacalhau. As duas levantam um brinde de kombucha de capim santo.

"Obrigado pelo que você tem feito não só pelo governo, mas pela humanidade", agradece a secretária, provando o espaguete com ervilha, linguiça e molho branco, servido na louça Vista Alegre. "O segredo do prato gostoso é o amor com que a gente faz", diz Morena.

Morena e Parnes brindam com a kombucha de capim santo - Paulo Sampaio/UOL - Paulo Sampaio/UOL
Morena e Parnes brindam com a kombucha de capim santo
Imagem: Paulo Sampaio/UOL

"Saúde!", diz uma.

"Tim-tim!", sorri a outra.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL