PUBLICIDADE
Topo

Dados 158 países, só no Brasil parte do empresariado se opõe à quarentena

Empresário Rubens Menin diz ser necessário conciliar combate ao vírus com economia em funcionamento. Fato, É justamente o que faz a quarentena. Em nenhum outro país do mundo houve vozes do empresariado contra a medida - Foto: Bruno Santos - 26.set.19/Folhapress
Empresário Rubens Menin diz ser necessário conciliar combate ao vírus com economia em funcionamento. Fato, É justamente o que faz a quarentena. Em nenhum outro país do mundo houve vozes do empresariado contra a medida Imagem: Foto: Bruno Santos - 26.set.19/Folhapress
Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo, que publicou aqui o primeiro post no dia 24 de junho de 2006, é colunista da Folha e âncora do programa “O É da Coisa”, na BandNews FM. No UOL, Reinaldo trata principalmente de política; envereda, quando necessário — e frequentemente é necessário —, pela economia e por temas que dizem respeito à cultura e aos costumes. É uma das páginas pessoais mais longevas do país: vai completar 13 anos no dia 24 de junho.

Colunista do UOL

26/03/2020 07h17

A Folha ouve na edição de hoje uma penca de empresários sobre a quarentena. Parte deles se manifesta como se estivesse destinada a ser eterna, o que é mentira. Reproduzo um trecho:

Alguns, porém, acham que o país precisa encontrar uma forma de atender ao mesmo tempo saúde e economia. Essa é a avaliação do empresário Rubens Menin, fundador da incorporadora MRV e sócio de negócios em vários segmentos, como o Banco Inter e o canal de televisão CNN Brasil.

"O que a gente precisa entender agora é como compatibilizar, com inteligência, a curva de crescimento da doença com a capacidade hospitalar. Feito isso, podemos avançar. Um dia, a economia precisa voltar. E, quanto mais cedo for, sem prejuízo das pessoas, melhor será", afirma.

Menin diz ter agora duas preocupações: não deixar quebrar a rede de distribuição que leva insumos e produtos para manter o abastecimento, e preservar pequenas e médias empresas. Ele afirma, porém, que vai ser difícil fazer isso com a escalada de conflitos políticos.

"A briga entre Poderes atrapalha os negócios, mas atrapalha ainda mais a população, que fica desnorteada. Ela vê uma autoridade falar uma coisa e outra falar outra", diz.

"Precisamos unificar o discurso. O Brasil é o único país em que está acontecendo essa desunião. Isso é ruim. Todos os outros países têm discurso unificado. Até os Estados Unidos, onde o presidente é mais polêmico, está unificado", afirma.
(...)

COMENTO
Creio que não tenha querido dizer que Trump é mais polêmico do que Bolsonaro, certo?

Quanto às suas afirmações, observo: os EUA estão mais "unificados" — e o mesmo vale para a Europa — porque não apareceu por lá uma elite empresarial com a cara de pau de questionar a necessidade da quarentena. Por aqui, sim. E o presidente comprou o discurso.

A "briga entre Poderes" atrapalha, mas aquela dentro de um mesmo Poder é bem pior.

O que falta no Brasil é coragem, certo? Inclusive de dizer as coisas às claras: em vez de parte do empresariado ficar com a conversa mole de que a economia não pode parar para não prejudicar os próprios pobres, poder-se-ia dizer às claras: "Ora, não vamos parar a economia por causa dos pobres".

Que fique claro: O Brasil é o único país do mundo em que setores do empresariado se mobilizaram contra a quarentena. Nos outros 157, todos entenderam a medida como instrumento temporário para achatar a curva de contaminação.

Se a nossa elite fosse tão criativa em seus negócios como é quando se trata de mandar pobre para o vírus, seríamos a maior potência do mundo.

Reinaldo Azevedo