PUBLICIDADE
Topo

Diarista de 44 anos é suspeita de abusar de menino de 5 em Franca (SP)

Franca está a 400 km de São Paulo - Arte/UOL
Franca está a 400 km de São Paulo Imagem: Arte/UOL

José Bonato

Do UOL, em Ribeirão Preto (SP)

13/03/2013 14h15

Uma diarista de 44 anos está sob investigação policial por ter supostamente mantido relações sexuais com um menino de cinco anos em Franca (400 km de São Paulo). A prática, classificada pelo Código Penal como estupro de vulnerável, é punida com pena de oito a 15 anos de prisão.

Ana Lucia Pereira, segundo a polícia, procurou espontaneamente a Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) nesta quarta-feira (13) e negou o crime. De acordo com a delegada Graciela David Ambrósio, 48, a suspeita tomou a iniciativa porque está com medo de ser presa. Ela ainda não contratou advogado para defendê-la.

Ana Lucia, ainda segundo a delegada, cuidava dos três filhos da vizinha, mãe do garoto, desde 28 de fevereiro último. Quando a mãe deixava os filhos sozinhos com ela para ir trabalhar, a suspeita colocava a menina de dois anos e o bebê de 11 meses no quarto da mãe e levava o menino para o quarto das crianças.

No aposento, segundo relato do menino à mãe e a uma psicóloga, a babá despia o garoto, tirava a calcinha e o mandava introduzir o “pipi” nela. O menino não soube precisar quantas vezes essa situação se repetiu. Ele disse que havia beijos na boca durante os contatos.

Exame feito por um legista no garoto constatou uma inflamação no pênis, “com “secreção”. Não foi possível constatar se o problema foi decorrente dos supostos contatos sexuais ou por falta de higiene, de acordo com a delegada.

“A declaração do menino nos parece bastante consistente. Tudo indica que ele esteja falando a verdade. Esse ferimento no órgão genital também é outro indício importante”, disse a titular da DDM. Ela afirmou que vai concluir o inquérito em menos de 30 dias.

A descoberta

A mãe do menino descobriu o caso indiretamente na última quinta-feira (7). Ela contou à polícia que flagrou o filho na cama sobre a irmã de dois anos, sem calcinha.  Em conversa com o garoto, ele teria relatado as experiências com a vizinha, que mora no apartamento em frente ao da família, no bairro City Petrópolis.

O filho disse à mãe que a babá ameaçou bater nele caso contasse para alguém. “Estou acabada, destruída. Não tenho palavras para isso. Espero Justiça”, afirmou a mãe durante entrevista a uma rádio de Franca.

A família está tratando a infecção no órgão genital do garoto com pomada e antibióticos. A babá havia sido contratada por R$ 150 mensais para cuidar das crianças em dias alternados até que a família conseguisse transporte para deixá-las em uma creche.

Cotidiano