Topo

Laudos apontam Marcelo Pesseghini como responsável por chacina de PMs, afirma delegado-geral de SP

Do UOL, em São Paulo

03/09/2013 17h19Atualizada em 03/09/2013 18h40

A Polícia Civil de São Paulo informou nesta terça-feira (3) que os laudos sobre as mortes de um casal de PMs, do filho deles de 13 anos e de outros dois parentes, ocorridas no mês de agosto na Brasilândia, zona norte da capital, apontam que o garoto Marcelo Pesseghini --o filho dos policiais-- foi o responsável pelos crimes.

  • 10712
  • true
  • http://noticias.uol.com.br/enquetes/2013/08/08/voce-acredita-na-versao-dada-pela-policia-para-a-morte-dos-pms-e-de-sua-familia-em-sao-paulo.js

"Os laudos se alinham com a investigação policial no sentido da autoria e do suicídio", disse o delegado-geral Luiz Maurício Blazek em entrevista à rádio CBN.

Segundo ele, 48 pessoas foram ouvidas durante a investigação sobre as mortes que ocorreram no dia 5 de agosto. A principal linha da investigação policial é de que o garoto de 13 anos, filho do casal, cometeu os crimes e se matou.

"Os laudos corroboram aquilo que está sendo investigado. Entretanto, todos precisam ser devidamente analisados e, se necessário, solicitaremos complementação, seja dos laudos ou da oitiva de testemunhas", acrescentou.

De acordo com o DHPP (Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa), órgão responsável pela apuração do caso, os delegados analisam nove laudos e 25 relatórios dos Institutos de Criminalística e Médico Legal.

Morreram na chacina o pai do estudante, o sargento da Rota (tropa de elite da Polícia Militar) Luís Marcelo Pesseghini, a mãe, a cabo da PM Andréia Bovo Pesseghini, a avó, Benedita Bovo, 65, e a tia-avó, Bernadete Bovo, 55.

Segundo informações divulgadas na tarde de hoje pela rádio Bandeirantes, os laudos entregues na segunda-feira (2) ao DHPP indicam que o pai e a avó do estudante foram assassinados enquanto dormiam. Já a mãe e a tia-avó do garoto estavam acordadas ao receberam disparo de arma de fogo que as matou. 

    Mais Cotidiano