Marcelo Carnaval/Agência O Globo

Violência no Rio

Justiça condena miliciano da Liga da Justiça a 30 anos de prisão no Rio

Do UOL, no Rio

O 3º Tribunal do Júri do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro condenou, na madrugada desta sexta-feira (15), o miliciano Ricardo Teixeira da Cruz, o Batman, a 30 anos de prisão. Também foram condenados Ricardo Coelho da Silva, conhecido como Cadinho ou Cara Torta, a 25 anos de prisão, e Maciel Valente de Sousa, o Zaca, a 21 anos. Eles deverão iniciar o cumprimento da pena em regime fechado.

Os réus são acusados de pertencerem à chamada Liga da Justiça, grupo de milicianos de atua em Campo Grande, na zona oeste do, e de terem matado o segurança Alexandre Pinheiro Gouvêa em março de 2009. Todos respondiam pelo crime de homicídio qualificado.

Segundo a sentença, o crime foi praticado por motivo torpe, pois a vítima trabalhava como segurança em estabelecimentos comerciais situados no local onde foi assassinada, sendo um empecilho à atuação da organização criminosa na área.

O segurança, desarmado, foi surpreendido pelo veículo em que estavam os réus, que dispararam tiros de fuzil no rosto e na cabeça, sem que houvesse possibilidade de esboço de reação.

Carlos Ari Ribeiro, o Carlão, que também era réu na ação, morreu antes que fosse finalizado o processo.

"Batman" já tinha sido condenado em 2010 pela 42ª Vara Criminal do Rio a 12 anos de prisão em regime fechado por formação de quadrilha. Ele havia fugido do presídio de Bangu em outubro de 2008, onde cumpria pena de nove anos e oito meses, e foi recapturado em maio de 2009. Na PM, integrava o Batalhão de Choque. Foi expulso da corporação na década de 1990. (Com Estadão Conteúdo)

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos