Topo

Menino morto no RS será sepultado amanhã (16) no mesmo túmulo da mãe

Do UOL, em São Paulo

15/04/2014 21h26

O menino Bernardo Uglione Boldrini, 11, encontrado morto em um matagal na cidade de Frederico Westphalen (a 447 km de Porto Alegre), será sepultado no mesmo túmulo da mãe, no Cemitério Ecumênico Municipal de Santa Maria (331 km de Porto Alegre). O pai do garoto, o médico Leandro Boldrini, a madrasta, a enfermeira Graciele Ugulini, madrasta, e uma amiga dela --cuja identidade não foi revelada-- são suspeitos e foram presos preventivamente.

Nesta terça-feira (15), o corpo do garoto foi velado no Colégio Ipiranga, em Três Passos, cidade onde ele morava com o pai e a madrasta. À noite, o corpo foi levado a Santa Maria, onde está sendo velado na capela do Hospital de Caridade Dr. Astrogildo de Azevedo. O sepultamento será realizado amanhã de manhã.

A mãe do menino, Odilaine Uglioni, morreu em fevereiro de 2010, após cometer suicídio dentro da clínica de Leandro Boldini. Bernardo estava desaparecido desde o dia 4 de abril. O corpo foi encontrado ontem (14), enterrado em um matagal. O pai do garoto chegou a registrar um boletim de ocorrência do desaparecimento.

A delegada Caroline Bamberg Machado, da delegacia de Três Passos, afirmou ter certeza do envolvimento do pai, da madrasta e da amiga dela, que prestou depoimento hoje e disse que o menino foi morto com uma injeção letal.

"Eu não tenho dúvida da participação deles. O que precisamos e o que é importante para conseguir uma condenação é identificar o que cada um fez, qual é a parcela de culpa de cada um", disse a delegada, em entrevista coletiva nesta terça-feira.

A polícia desconfiou dos depoimentos contraditórios das duas mulheres e conseguiu pistas do garoto. O corpo foi localizado enterrado envolto em um saco plástico em um matagal próximo de um riacho.

Em depoimento à polícia, a madrasta afirmou que foi até Frederico Westphalen, que fica a 80 km de Três Passos, para comprar uma televisão em promoção e que levou  Bernardo porque iria presenteá-lo com um aquário. A polícia obteve imagens de câmeras de segurança que mostram o menino com a madrasta e a amiga na cidade.

A causa da morte do garoto ainda está sendo investigadas. Os laudos periciais irão indicar as circunstâncias em que ele foi assassinado.  O prazo para a conclusão das investigações é de 30 dias, mesmo período de duração da prisão preventiva dos três suspeitos. Eles foram levados a uma carceragem não divulgada para evitar manifestações da população. (Com Estadão Conteúdo)

Mais Cotidiano