Por R$ 150, coletor de água de chuva ajuda a reduzir conta pela metade

Fabiana Maranhão

Do UOL, em São Paulo

Em tempos de falta de água nas torneiras, um técnico agropecuário tem dedicado seus dias a percorrer escolas, associações e comunidades na Grande São Paulo para repassar um conhecimento útil: como coletar água de chuva.

Engana-se quem pensa que é só colocar um balde no quintal de casa quando começar a chover. A pessoa até pode fazer isso, mas com a água ela vai acumular folhas, insetos e outros tipos de sujeira.

Batizado de minicisterna, o equipamento criado pelo técnico Edison Urbano é feito de materiais simples e tem capacidade de acumular cerca de 200 litros de água. O custo para confeccioná-lo varia entre R$ 150 e R$300 e com ele é possível economizar até 50% da conta de água, segundo Urbano.

Ele integra o movimento Cisterna Já que tem uma meta ambiciosa: que exista uma minicisterna em toda casa. "O movimento surgiu com a ideia de fazer com que o máximo de pessoas nas cidades construa um sistema de aproveitamento de água de chuva para poupar as reservas que a gente tem, como o Cantareira, o Guarapiranga [no caso da Grande São Paulo]", explica.

"Nós estamos repassando o conhecimento de todas as formas que a gente encontra, por meio da imprensa, de cursos em lugares públicos. A gente faz mutirões em praças, escolas etc., onde fazemos a montagem passo a passo da minicisterna, para ensinar às pessoas como fazer", detalha. 

Cisterna

O equipamento criado por Urbano é inspirado na cisterna, largamente utilizada no semiárido do país. A tecnologia para captar água de chuva consiste em um recipiente coberto feito de placas de cimento e ligado à calha do telhado da casa por meio de tubos. 

Existem cerca de 630 mil cisternas na região do semiárido, que engloba Alagoas, Bahia, Ceará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Sergipe, além do norte de Minas Gerais.

A estimativa é da ASA (Articulação Semiárido Brasileiro), entidade que implanta cisternas com recursos do governo federal.

Segundo o Ministério do Desenvolvimento Social, cada família recebe R$ 1.600 para construir a cisterna. "Com capacidade para 16 mil litros de água, a cisterna supre a necessidade de consumo de uma família de cinco pessoas por um período de estiagem de oito meses", informa em sua página na internet.

"Os povos do semiárido sempre conviveram com a seca, realidade que você não muda, mas se adapta. Com essa crise [de falta de água] no Sudeste, o povo vai ter de passar a conviver com isso. É preciso armazenar água de chuva e que haja uma mudança de mentalidade para entender que a água é um bem precioso que tem de ser economizado", afirma Valquíria Lima, coordenadora executiva da ASA.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos