Violência no Rio

Veja quem são os suspeitos de estupro coletivo contra adolescente no Rio

Do UOL, no Rio

A Polícia Civil do Rio de Janeiro indiciou sete homens suspeitos de participação no estupro coletivo de uma adolescente de 16 anos, na Praça Seca, bairro da zona oeste carioca, no final de maio.

Dois deles estão presos. Entre os foragidos está Sérgio Luiz da Silva Júnior, o "Da Russa", apontado como chefe do tráfico de drogas na favela da Barão, local onde ocorreu o crime.

Os indiciados são Raí de Souza (estupro, produção e divulgação de imagens), Raphael Assis Duarte Belo (estupro e produção de imagens), que já estão presos; e Sérgio Luiz da Silva Júnior, o "Da Russa" (estupro), Moisés de Lucena (estupro), Michel Brasil da Silva (divulgação de imagens), Marcelo Miranda Correa (divulgação de imagens) e um adolescente identificado como Perninha. Veja abaixo quem são eles e qual participação no crime é atribuída a cada um:

Raí de Souza

Marcelo Theobald/Extra/Ag. Globo
Raí foi preso após se apresentar voluntariamente à DCAV, na Cidade da Polícia, na zona norte carioca. Em seu primeiro depoimento, ele afirmou ter sido o autor do vídeo que mostra a jovem nua e desacordada. As imagens foram divulgadas nas redes sociais e provocaram grande repercussão.

No vídeo, Raí aparece à frente do corpo da vítima e afirma que "mais de 30 engravidou" (sic) --de acordo com a defesa, a frase seria uma menção a uma música de funk. Posteriormente, o suspeito prestou novo depoimento e mudou a versão, alegando que o vídeo teria sido registrado com o celular dele, mas por outra pessoa, um traficante identificado como "Jefinho".

Ainda de acordo com a defesa, Raí teve relação sexual consentida com a vítima, mas teria deixado o local na companhia do amigo Lucas Perdomo e de uma outra jovem, antes do estupro. Outro vídeo encontrado no celular do suspeito, no entanto, aponta que ele estava presente em um momento em que a vítima apresenta resistência à violência sexual.

Raphael Assis Duarte Belo

Divulgação/Polícia Civil
Raphael se entregou à polícia na tarde de quarta-feira (1º). De acordo com a investigação, ele tirou uma selfie ao lado do corpo da vítima, nua e desacordada, no dia do crime.

A imagem foi publicada em redes sociais e mostra claramente o rosto do suspeito. Em uma página no Facebook, Raphael negou ter violentado a adolescente e relatou que, "ao passar por um beco na comunidade São José Operário, na zona oeste, encontrou uma casa abandonada, toda aberta, fedendo e com uma mulher nua dentro". Ele diz ainda que "entrou com o amigo Raí de Souza na casa e que Raí então filmou a jovem deitada".

A delegada da DCAV, Cristina Bento, no entanto, afirma que ele aparece em um dos vídeos encontrado no celular de Raí cometendo atos libidinosos na vítima.

Sérgio Luiz da Silva Júnior

Divulgação/Disque-Denúncia
Conhecido como "Da Russa", Júnior é apontado pela polícia como chefe do tráfico de drogas na favela da Barão, na Praça Seca, onde existe uma guerra entre facções há anos. Para a delegada Cristiana Bento, "nada acontecia na favela sem o conhecimento" do suspeito. "Ele tem o domínio final do fato", disse.

Ele é suspeito de comandar as bocas de fumo a mando de Luis Claudio Machado, o "Marreta", líder do crime organizado na região. Marreta cumpre pena desde 2014 no Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, na zona oeste da cidade.

Como "Da Russa" é foragido da Justiça, não foi possível confirmar se ele possui ou não defesa constituída.

Moisés de Lucena

Lucena teria sido o responsável por segurar a vítima no momento em que ela acordou. Ele foi reconhecido por conta de uma tatuagem no braço. Ele é considerado foragido da Justiça, e por isso não foi possível confirmar se possuem ou não defesa constituída.

Perninha

Perninha seria, segundo informou Cristiana, um adolescente de 17 anos envolvido com o tráfico de drogas e com várias passagens pela polícia. Em depoimento, ele foi citado pelo suspeito Raí de Souza como "Jefinho", que seria autor do vídeo que mostra imagens da vítima nua e desacordada.

A chefe da DCAV explicou aindaque os áudios recuperados em um aplicativo instalado no celular de Raí mostram que ele combinou a versão apresentada à polícia com o suspeito Raphael Assis Duarte Belo. Na conversa, Raí orienta o seu interlocutor a confirmar para os investigadores o nome "Jefinho". "Ele insinua que esse Jefinho 'não vai aparecer' porque 'deve cadeia' [em referência a trechos do diálogo]. Mas com a apreensão do celular, ficou provado que o Jefinho não existe", disse ela.

Ele é considerado foragido da Justiça, e por isso não foi possível confirmar se possuem ou não defesa constituída.

Michel Brasil da Silva

Divulgação/Polícia Civil
Segundo a polícia, Michel é um dos suspeitos responsáveis por divulgar na internet imagens da adolescente após o crime. Ele é considerado foragido da Justiça, e por isso não foi possível confirmar se possui ou não defesa constituída.

Em mensagem publicada no Twitter, Michel compartilha imagens da vítima e escreve: "Amassaram a mina, intendeu (sic) ou não intendeu (sic) kkkkk". Foi publicada também uma fotografia de um dos homens diante do corpo da jovem deitado em uma cama.

Marcelo Miranda Correa

Divulgação/Polícia Civil
Assim como Michel, Marcelo Miranda Correa é investigado pela Delegacia da Criança e do Adolescente Vítima por ter divulgado imagens da vítima em redes sociais. O suspeito foi identificado ainda na fase inicial do inquérito, quando a apuração estava a cargo da DRCI (Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática).

Foragido da Justiça, não foi possível confirmar se Correa possui ou não defesa constituída.

"Eu contei. Eram 33 homens", afirma vítima de estupro coletivo no RJ

  •  

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos