Polícia recupera móveis de família com casa invadida em SP durante as férias

Eduardo Schiavoni

Colaboração para o UOL, em Ribeirão Preto (SP)

  • Eduardo Schiavoni/UOL

    Fachada da casa cujos moradores viajaram por três meses e encontraram outra família morando ao voltar

    Fachada da casa cujos moradores viajaram por três meses e encontraram outra família morando ao voltar

A Polícia Civil de Ribeirão Preto recuperou, na manhã desta terça-feira (14), a maior parte dos móveis e objetos levados da casa de uma família que saiu em viagem de férias por três meses e encontrou um casal com dois filhos morando em sua residência na volta.

Os móveis estavam na casa na qual os suspeitos passaram a morar depois de deixar o imóvel da família. O casal deve ser indiciado por furto, ameaça e esbrulho (quando alguém priva outra pessoa dos direitos da propriedade).

Após investigações, a Polícia Civil descobriu a nova casa dos suspeitos de invasão, que fica no mesmo bairro, a uma distância aproximada de 3 km, e conseguiu um mandado de busca para entrar no imóvel.

A ação foi acompanhada por Fernanda Souza, uma das moradoras da casa.

Segundo o delegado Gino Santana, responsável pelo inquérito, no local foram encontrados utensílios domésticos, móveis e equipamentos eletrônicos. O delegado também confirma ter apreendido, na casa do pai do suspeito de invasão, uma mesa e outros objetos que seriam das vítimas.

"Houve reconhecimento dos itens, e o casal foi levado à delegacia. Iremos ouvi-los novamente e apresentar a denúncia", disse o policial. 

Fernanda informou que reconheceu os objetos e que espera que, com a ação da polícia, a família possa finalmente voltar para casa. "Minha família toda está em São Paulo esperando que a Justiça devolva nossa casa. Vivemos à base de calmantes, essa situação acabou com a gente", disse.

"Não recuperamos tudo, mas é um alento", disse.

Surpresa

Segundo Fernanda, o imóvel não tem escritura legalizada. Além dela, moravam na casa outras quatro pessoas. "A casa é nossa, mas havia algumas pendências que estamos resolvendo", disse.

A família toda saiu do imóvel em outubro para acompanhar uma das donas da residência, que faz tratamento médico em São Paulo, e permaneceu na capital por 90 dias, na casa de um parente.

Ao voltarem para Ribeirão, no começo de janeiro, encontraram o imóvel ocupado. 

No local, estavam Eder Fabri, a mulher dele e os dois filhos do casal. Na ocasião, Fabri afirmou que pagou R$ 160 mil pelo imóvel, à vista, além de 20 parcelas de R$ 2.000. O trato, segundo ele, era que, assim que as parcelas terminassem, ele poderia registrar a escritura.

A versão é contestada pela família, que registrou um boletim de ocorrência contra o casal. 

Além do indiciamento no inquérito que apura o furto dos objetos da família, Fabri e a mulher também podem ser indiciados por invasão de propriedade se não confirmarem a negociação que fizeram com uma das integrantes da família.

Uma audiência foi marcada para 15 de março para determinar quem tem direito à propriedade da casa. 

A reportagem tentou falar com Fabri, mas ele não foi localizado, assim como seu advogado. Na ocasião em que a denúncia foi feita, ele disse ter sido enganado por uma das moradoras do imóvel.

"A velha me enganou. Eu dei o dinheiro pra ela, e ela ficou de passar a escritura assim que terminasse de pagar. Tirei o dinheiro da boca dos meus filhos e não vou sair nesse prejuízo", disse Eder Fabri.

Segundo ele, um contrato chegou a ser feito, mas ele não conseguiu encontrá-lo. A polícia, entretanto, declarou não acreditar na versão. "Para nós, eles começaram mentindo e continuam mentindo", disse o delegado Santana.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos