Afetados, usuários do metrô de SP dizem que deveria 'parar tudo'

Janaina Garcia

Do UOL, em São Paulo

  • Janaina Garcia/UOL

    "Não acho viável ter que contribuir 49 anos para poder me aposentar", diz Isabel Trajano

    "Não acho viável ter que contribuir 49 anos para poder me aposentar", diz Isabel Trajano

A paralisação de metrô e trem em São Paulo pegou usuários de surpresa na manhã desta quarta-feira (15) na estação Itaquera (zona leste). O motivo foi o fechamento do acesso à CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) na estação, uma das maiores da capital paulista. Ontem, trabalhadores do sistema ferroviário haviam decidido manter o trabalho, ao contrário dos metroviários, que decidiram pela paralisação de 24 horas. O acesso à CPTM no local só foi liberado às 7h18.

Segundo os movimentos que organizam o dia de paralisações, os atos são uma resposta à proposta de reforma da Previdência do governo do presidente Michel Temer (PMDB).

Em Itaquera, a justificativa para o fechamento do acesso ao trem nas primeiras horas de funcionamento, dada por funcionários da companhia, é que haveria riscos à segurança com aglomerações geradas pelo fluxo trazido pela CPTM e não escoadas pelo metrô.

Para a analista de sistemas Isabel Trajano, 47, que iria do Parque do Carmo à Paulista, apesar do prejuízo no transporte, "entendo o porquê da paralisação". "Não acho viável ter que contribuir 49 anos para poder me aposentar. Querem que eu apresente certidão de óbito para pleitear a aposentadoria?", ironizou.

Pessoas reclamam de paralisação do transporte em São Paulo

Para o conferente Erik Costa Santos, 24, que seguiria de Itaquera à Barra Funda, na zona oeste, "o trem parado cedo é que causou surpresa". "Porque, se o governo quer tirar conquistas dos trabalhadores, sou a favor de que parem mesmo. Só acho então que tinha que parar tudo", opinou.

O vigilante Alex de Oliveira Santos, 28, passaria por curso de reciclagem da profissão no Jabaquara (zona sul), mas recuou, diante do metrô fechado. Ele mora em Guaianases.

"Vou fazer contato para tentar outro dia. A paralisação atrapalhou hoje, mas a causa é justa. A idade mínima que querem impor para eu me aposentar é muito alta", declarou. "Entristece é saber que, no fim, os prejudicados com tudo somos nós, trabalhadores. Com os políticos, isso não chega nem perto", disse.

Janaina Garcia/UOL
"Sou a favor de que parem mesmo. Só acho então que tinha que parar tudo", diz Erik

Já a doméstica Silvana Moreno, 47, que seguiria de Cruz Sá para o Tatuapé, ambos, na zona leste, o fechamento da CPTM, ainda que por algumas horas, foi "um transtorno é uma frustração".

"Os micro-ônibus nos deixaram em Itaquera, sendo que a CPTM ainda estava fechada. Se é greve, é greve, não tem sentido um parar, o outro não, mas parar por um tempo e causar esse transtorno todo", avaliou.

Para a dona de casa Vera Lúcia Santiago, 60, a paralisação do transporte prejudicou uma consulta médica marcada havia seis meses com um cardiologista. Sem metrô, ela não conseguiu ir da Cidade Tiradentes, onde mora, para o agendamento no Incor, próximo à estação Clínicas.

"Acho isso um absurdo. Operei em 2010, coloquei pontes de safena, e tinha essa consulta hoje. Para piorar, minha receita vence hoje e meu remédio está no fim", afirmou. Ela disse desconhecer tanto que hoje haveria paralisações quanto a razão delas.

Janaina Garcia/UOL
Para Vera Lúcia Santiago, paralisação prejudicou uma consulta médica

Ainda em Itaquera, parte dos usuários que teve transporte fretado bancado pela empresa, hoje, em função da paralisação do transporte, também demonstrou apoio aos atos, ainda que a rotina tenha sido afetada.

"É o transporte que move e que para as pessoas em uma cidade como São Paulo. Se querem tornar a aposentadoria menos acessível para o trabalhador, não adianta as pessoas fazerem manifestações muito tímidas que não conseguirão chamar a atenção", afirmou a atendente de telemarketing Andreza Natalia de Melo, 20.

Colega dela de trabalho, Luís Felipe Neves dos Anjos, 21, concordou. "Infelizmente, quem tem 70 anos ou mais, hoje, é descartado pelo mercado. Nem falta emprego: falta oportunidade. Ter que contribuir quase 70 anos é não considerar isso", afirmou.

Desempregado desde 2014, o motorista José Ribamar Guarino, 66, disse não ter se sentido prejudicado com a paralisação. Ex-trabalhador rural, ele citou a proposta de recolhimento previdenciário ao trabalhador do campo, prevista da reforma da previdência, como fator para apoiar as mobilizações de hoje.

"O ganho do trabalhador rural é muito pequeno, muitas vezes, mal dá para sustentá-lo. É um absurdo o que estão querendo fazer", lamentou.

Janaina Garcia/UOL
'É um absurdo o que estão querendo fazer', diz José Ribamar

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos