PUBLICIDADE
Topo

Doria diz que pobre não tem hábito alimentar e afirma desconhecer vídeo divulgado por vereadora

O prefeito de São Paulo, João Doria, e o arcebispo metropolitano de São Paulo, cardeal Dom Odilo Scherer, durante entrevista - Amanda Perobelli/Estadão Conteúdo
O prefeito de São Paulo, João Doria, e o arcebispo metropolitano de São Paulo, cardeal Dom Odilo Scherer, durante entrevista Imagem: Amanda Perobelli/Estadão Conteúdo

Janaina Garcia

Do UOL, em São Paulo

18/10/2017 17h33Atualizada em 18/10/2017 19h47

Um vídeo gravado pelo prefeito João Doria (PSDB) na época em que era apresentador do reality show “O aprendiz”, apresentado na TV Record em 2011, causou saia justa ao tucano, nesta quarta-feira (18), enquanto ele apresentava a farinata como complemento alimentar para a rede municipal de educação de São Paulo. O vídeo circula desde terça-feira (17) nas redes sociais por críticos da iniciativa da prefeitura.

A farinata é produto, em pó ou granulado, extraído a partir do processamento de alimentos próximos da data de vencimento e que seriam descartados pela indústria. 

No vídeo de "O Aprendiz", o então apresentador repreende um candidato que havia apresentado um programa que previa hábitos alimentares para pobres. “Hábitos alimentares? Você acha que gente humilde, pobre, miserável, lá vai ter hábito alimentar? Você acha que alguém pobre, humilde, miserável infelizmente pode ter hábito alimentar? Se ele se alimentar, ele tem que dizer graças a Deus”, afirmou Doria ao participante do reality, na ocasião. O repreendido acabaria "demitido" pelo apresentador instantes depois.

Nesta quarta, indagado em entrevista coletiva ao lado do cardeal e arcebispo metropolitano de São Paulo, Dom Odilo Scherer, Doria disse não se lembrar do vídeo. “Desconheço esse vídeo. Não assisti a esse vídeo, desconheço. Não posso nem comentar sobre isso”, respondeu. 

Defensor da farinata, que já é utilizada pela Igreja Católica com a população carente, o cardeal buscou contemporizar a discussão. “O pobre tem fome. Hábito alimentar é para quem tem disponibilidade de alimento e pode se dar ao luxo de ter uma alimentação regular, refeições regulares, alimentação. Pobre não tem isso", afirmou Scherer. 

"Claro que o ideal da refeição é poder se sentar à mesa, com toalha bonitinha, talheres, tudo muito bonito – é um momento até social bem elaborado, esse seria o significado da refeição. Porém, a quem se arrasta no chão por fome, vou deixar de atender porque não posso dar isso ou porque ele não pode se sentar numa mesa bem posta?”, complementou o religioso.

Em seguida, Doria repetiu as palavras do cardeal. “O pobre tem fome, não tem hábito alimentar. Por que essa insistência em um tema como esse?”

Farinata é alvo de pedido de CPI na Câmara

Uma das divulgadoras do antigo vídeo é a vereadora Sâmia Bonfim (PSOL), da bancada de oposição ao prefeito na Câmara. A parlamentar é autora de uma petição para que a Casa instaure uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) sobre a farinata – batizada por ela de “CPI da Ração Humana”. O vídeo postado por ela no Facebook teve até esta quarta cerca de 191 mil visualizações.

Na entrevista ao lado do cardeal, Doria afirmou que Sâmia “dispensa comentários. Aliás, ela se auto-dispensa”. Ao final das perguntas dos jornalistas, uma das participantes, que se identificou à reportagem como assessora da vereadora, questionou o prefeito sobre a abdicação de receitas e isenção de impostos à empresa que fizer a farinata. 

"Eu peço a você que fique quieta e que respeite os jornalistas que estão aqui", respondeu Doria à assessora. "Você é uma ativista, você representa uma vereadora, aqui não é espaço para isso."

Doria com o alimento reprocessado que seria doado para os mais pobres - Fabrício Bomjardim/Brazil Photo Press/Folhapress - Fabrício Bomjardim/Brazil Photo Press/Folhapress
Doria com o alimento reprocessado que seria doado para os mais pobres
Imagem: Fabrício Bomjardim/Brazil Photo Press/Folhapress

"Prefeito foi desrespeitoso", diz vereadora

Ao UOL, depois da entrevista coletiva, Sâmia admitiu que enviou duas assessoras, uma nutricionista e outra de imprensa, para fazer ao prefeito perguntas que ele não havia respondido ao gabinete dela e à comissão de saúde da Câmara, da qual ela é integrante.

"Pedi às assessoras para irem à entrevista para ver se conseguiam algum tipo de informação. Infelizmente, o prefeito foi muito desrespeitoso com uma delas e pediu para ela ficar quieta. O prefeito não pode se negar a responder a um questionamento legislativo, poder esse que tem o papel de fiscalizar", afirmou a vereadora.

Sâmia disse já ter conseguido 16 das 19 assinaturas necessárias para protocolar o pedido de instalação de uma CPI -- que dependeria ainda de aprovação do plenário. "Os dois pontos principais e que ainda não foram respondidos são qual o valor nutricional da farinata e quais as relações da prefeitura com a plataforma Sinergia, que, em tese, produzirá esse composto. É preciso entender o que está por trás dessa máscara de caridade", defendeu.

De acordo com o prefeito, a farinata deve ser incluída na merenda de parte das escolas municipais da cidade, gradualmente, ainda neste mês.

"Isso será feito gradualmente, complementando a merenda das escolas de São Paulo, e, espero, no futuro, também do interior de São Paulo e de cidades de outros estados", afirmou. 

A vereadora Sâmia Bonfim, do PSOL, é da bancada de oposição ao prefeito João Doria (PSDB) na Câmara de SP - Divulgação - Divulgação
A vereadora Sâmia Bonfim, do PSOL, é da bancada de oposição ao prefeito João Doria (PSDB) na Câmara de SP
Imagem: Divulgação

Segundo a administração municipal, a forma de distribuição e as instituições que serão inicialmente contempladas pelo composto estão "em estudo". O prefeito salientou, por outro lado, que não haverá custos aos cofres públicos, tampouco incentivos ou isenções fiscais -- ainda que a lei autorize isso. 

A proposta é que a farinata -- em pó, granulada ou processada na forma de macarrão e biscoito --seja utilizada como complemento e substituto de parte da merenda escolar. A plataforma Sinergia, organização da sociedade civil de interesse público que detém a patente do produto, não detalhou quanto deve investir na iniciativa.

Indagado por jornalistas sobre o qual a necessidade nutricional da rede municipal de ensino, Doria respondeu: "Não sou nutricionista, não sou especialista em nutrição, não fiz [na apresentação da farinata, semana passada] uma manifestação técnica completa", afirmou. 

Em nota, a Secom (Secretaria Municipal de Comunicação de São Paulo) reforçou as críticas à divulgação do vídeo por parte da vereadora --a qual, diz a nota, "insiste em politizar questões que deveriam ser apartidárias, como a erradicação da fome e o combate ao desperdício de alimentos, e tenta manipular a opinião pública ao publicar um vídeo editado e fora do contexto do programa O Aprendiz, exibido em 2011".
 
"Na atração televisiva, os participantes deveriam preparar e distribuir alimentos a pessoas em situação de rua. Ao questionar a condução da prova por uma das equipes, João Doria ressaltou, na ocasião, a urgência no fornecimento de alimentos a essa população, sem desmerecer as necessidades dessas pessoas, ao contrário do que a vereadora faz parecer", diz a Secom.
 

Dom Odilo vê "politização" por parte de "adversários do prefeito"

Logo no início da coletiva, o cardeal arcebispo condenou o que chamou de politização nas críticas ao produto. Questionado sobre quem tem agido assim, o religioso definiu: "Não estive presente na assinatura do projeto de lei e não sei o contexto; fato é que isso está sendo usado politicamente e ideologicamente e isso é uma pena", disse. "Existem grupos que não simpatizam com a linha política do prefeito", afirmou o religioso, sem citar nomes.

Durante o evento, Dom Odilo também disse se sentir "ofendido" com o uso da expressão "ração humana" -- para o religioso, "um equívoco".

Lembrado que Doria disputa internamente, no PSDB, uma indicação à disputa presidencial, o cardeal complementou: "Provavelmente isso está sendo usado politicamente dentro desse contexto --é possível que dos dois lados [do prefeito e de opositores], mas acredito que está sendo usado muito por quem seria um possível adversário do prefeito. Não estou a favor nem contra é ou não candidato; só acho uma pena porque quem paga a conta é o pobre, mais uma vez."

 

Cotidiano