Topo

Oficiais da Marinha são presos levando armas ilegais do Paraguai para o Rio de Janeiro

Divulgação/PRF
08.dez.2017 - Armamento apreendido com oficiais da Marinha do Brasil Imagem: Divulgação/PRF

Luís Adorno

Do UOL, em São Paulo

11/12/2017 16h00Atualizada em 12/12/2017 14h54

Três segundos-tenentes da Marinha foram presos no Mato Grosso do Sul tentando levar armas ilegais compradas no Paraguai para o Rio de Janeiro.

Eles foram flagrados por agentes da PRF (Polícia Rodoviária Federal), na noite de sexta-feira (8) em Rio Brilhante (MS). Ivan Passos da Cruz, 29, Clércio Gondim da Silva Júnior, 28, e André Luis Nascimento Fragoso, 28, trabalham em uma unidade da Marinha no Rio de Janeiro.

Eles estavam em um ônibus que viajava de Ponta Porã (MS), na divisa com o Paraguai, a São Paulo. Os três disseram que pretendiam seguir depois para o Rio de Janeiro, também de ônibus.

A PRF afirmou por meio de nota que "os homens declararam que compraram [o armamento] em Pedro Juan Caballero, no Paraguai e pretendiam levo até o Rio".

Segundo os policiais rodoviários, os suspeitos disseram que estão sendo ameaçados por traficantes e precisam das armas para se defender.
 
A reportagem não conseguiu localizar os advogados dos militares. A Marinha informou que não tem os contatos dos defensores deles.
 
Ao serem abordados pelos agentes da PRF, os três se identificaram como oficiais da Marinha Brasileira. Os policiais rodoviários perguntaram aos oficiais se eles estavam armados, para que eles pudessem revistá-los.
 
Na sequência, um deles informou que estava armado, mas não tinha o registro do armamento. Os policiais rodoviários estranharam e fizeram uma revista nas bagagens e assentos dos três tenentes. Foi constatado que, com os três, havia os seguintes armamentos:
 
  • 2 espingardas calibre 12, da marca Boito, com o número de série raspado;
  • 3 pistolas 9 milímetros, da marca Glock, com o número de série raspado;
  • 8 carregadores de pistola calibre 9 milímetros;
  • 260 munições calibre 12;
  • 100 munições calibre .40;
  • 900 munições calibre 9 milímetros;
  • 2 coldres para pistola;
  • 1 case para arma longa;
  • 1 bandoleira;
  • 2 placas balísticas para colete;
  • 4 acessórios para espingarda.

Os militares foram presos em flagrante e levados para a delegacia da Polícia Federal em Dourados (MS), onde foram autuados por tráfico internacional de armas de fogo e associação criminosa.

Em nota, a Marinha do Brasil, por intermédio do Comando-em-Chefe da Esquadra, informou ao UOL que "as circunstâncias do ocorrido estão sendo rigorosamente apurada pelas autoridades competentes".

A Marinha disse que tomou conhecimento das prisões e que, até a tarde desta segunda-feira (11), "os militares encontram-se à disposição da Justiça Federal, no município de Dourados (MS), e estão sendo acompanhados pelo Comando do 6º Distrito Naval".