Topo

Igreja Católica negará apoio a candidatos à Presidência que promovam violência, diz CNBB

Pedro Ladeira/Folhapress
Carmen Lucia participa de evento da CNBB ao lado do secretário-geral da entidade, dom Leonardo Steiner, e do presidente da CNBB, Cardeal Sérgio da Rocha Imagem: Pedro Ladeira/Folhapress

Luciana Amaral

Do UOL, em Brasília

14/02/2018 11h38Atualizada em 14/02/2018 14h51

A Igreja Católica não apoiará candidatos à Presidência da República que promovam a violência e preguem soluções que possam acirrar ainda mais conflitos no Brasil, informou nesta quarta-feira (14) o presidente da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) e arcebispo metropolitano de Brasília, cardeal Sérgio da Rocha.

“É lamentável que se apresente soluções para superar a violência recorrendo a mais violência. A Igreja, é claro, nessas eleições, como sempre faz, estará orientando os próprios eleitores, não substituindo a consciência dos eleitores, mas ajudando a formar consciência. Nós queremos candidatos comprometidos com a justiça social e a paz. Não [queremos] candidatos que promovam ainda mais a violência”, declarou Rocha, sem fazer referência direita a nenhum dos pré-candidatos.

A CNBB lançou nesta quarta a Campanha da Fraternidade de 2018, cujo tema é “fraternidade e superação da violência” e lema é “Vóis sois todos irmãos”, (Mt 23,8). Alguns dos pontos a serem tratados são homicídios, especialmente contra jovens negros, trabalho escravo e segurança pública.

O cardeal Sérgio da Rocha disse que a vontade da Igreja é que a campanha se estenda além da comunidade religiosa e que o tema escolhido possa mostrar que a busca da Justiça não passa por “soluções simplistas nem reações emocionais”.

Segundo Rocha, os investimentos em segurança pública precisam ser acompanhados por outros ainda maiores para assegurar a qualidade de vida da população. O cardeal falou que a Igreja Católica não pretende apresentar soluções técnicas e, então, ressaltou a importância de iniciativas locais, participação da sociedade civil organizada e do apoio do poder público.

A cúpula da Igreja Católica afirmou ainda que apoia a campanha do desarmamento, em contraponto direto à proposta de um dos pré-candidatos à Presidência, Jair Bolsonaro (PSC-RJ), que defende a ampliação do porte de armas no país. Dessa forma, os católicos se colocam no debate sobre segurança pública, que deve ser um dos pilares da campanha eleitoral para a Presidência da República.

Apesar de católico, Bolsonaro tem ampliado sua ligação com o eleitorado evangélico e já participou de um batismo no rio Jordão, em Israel, pelas mãos do pastor Everaldo Pereira, presidente do PSC –eles romperam e agora o presidenciável deverá se filiar ao PSL para disputar a Presidência.

As principais lideranças evangélicas dizem que ainda é cedo para confirmar o apoio a qualquer presidenciável, mas afirmam que o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) vem abraçando publicamente as bandeiras do grupo. Nesta quarta-feira (14), Bolsonaro pediu "radicalização" no combate ao crime

CNBB critica reformas de Temer

Ao final do evento, questionado por jornalistas se as reformas promovidas pelo governo do presidente da República, Michel Temer (MDB), também são percebidas como formas de violência pela Igreja Católica, o secretário-geral da CNBB, dom Leonardo Steiner, criticou duramente as iniciativas do Planalto e o próprio Temer.

“Os textos não abordam diretamente [as reformas], mas é claro que são violências. Nós sentimos isso. Vejo que até o Carnaval, no enredo, mostrou tanto a violência quanto a corrupção, as chamadas reformas sem ouvir o povo, os aposentados”, afirmou Steiner.

“[Foram feitas] Simplesmente de cima para baixo e do ponto de vista do mercado. Quer dizer, de repente, um grupo de pessoas no país se acha no dever moral de salvar o Brasil. Eu duvido um pouco inclusive que tenha moral para isso dado que existem processos e questionamentos no meio jurídico.”

O evento de lançamento da campanha na sede da conferência em Brasília contou com a presença da ministra e presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Cármen Lúcia, e do deputado federal Alessandro Molon (Rede-RJ).

A presidente do STF, Cármen Lúcia, em discurso, lembrou que o Poder Judiciário tem como atribuição específica atuar pela aplicação do Direito e “superar as formas de violência que desaguam na sociedade”.

Na avaliação da ministra, o Judiciário tem atuado “de forma digna e correta, exatamente para que a gente tenha a superação disso [da violência] e os direitos garantidos no Estado democrático”. Ela disse ver mães e professores recomendando às crianças para desconfiarem de pessoas que se aproximem da escola, por exemplo, e criticou a situação atual da sociedade em que se enxerga “o outro” como alguém que é preciso combater.