PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

PM prende militares do Exército que transportavam armas, granadas e munição, no Rio

Parte das armas encontradas com o grupo - Divulgação/PM
Parte das armas encontradas com o grupo Imagem: Divulgação/PM

Paula Bianchi

Do UOL, no Rio

22/05/2018 15h42

Dois militares do Exército e outras seis pessoas foram presas por PMs nesta segunda-feira (21) à noite na Baixada Fluminense. O grupo transportava armas, granadas e munição em um carro com placas clonadas.

De acordo com a PM, os policiais faziam patrulhamento quando viram um veículo deixando uma estrada sem pavimentação e acessando a rodovia. Ao ver o carro com os policiais, o motorista teria tentado fugir.

Ao solicitar que os ocupantes deixassem o carro, os policiais se surpreenderam ao verem oito pessoas descendo do veículo. Entre eles, foram identificados dois militares lotados na Fortaleza de Santa Cruz, em Jurujuba, Niterói, na região metropolitana do Rio.

Foram apreendidas quatro pistolas, dois revólveres, uma espingarda calibre 12 e um rifle calibre 38. Também foram encontrados quatro granadas, seis celulares, algema, rádios comunicadores, toucas ninja, coletes balísticos e munições de diversos calibres.

A ocorrência foi registrada na 59ª DP. Procurado, o GIF (Gabinete Federal de Intervenção) não se posicionou sobre a prisão dos militares até a publicação desta reportagem. 

Intervenção federal na segurança

O Rio está sob intervenção federal na área de segurança há três meses. Dados da Secretaria de de Segurança Pública divulgados no dia 17 mostram que, no geral, a ação teve pouco impacto sobre os índices de criminalidade do estado.

As mortes violentas -- que reúnem homicídio doloso, homicídio decorrente de intervenção policial, latrocínio e lesão corporal seguida de morte -- e os roubos de rua, que incluem roubo a transeunte, roubo de celular e roubo em ônibus, tidos como indicadores estratégicos, se mantiveram elevados nos meses de março e abril, dado mais recente divulgado. Em comparação com o mesmo período de 2017, foram registradas 34 mortes violentas --1.228, no total, com aumento de 3%.

Já em relação aos roubos de rua, em março e abril deste ano, foram 283 ocorrências a mais (22.289, com variação de 1%).

Março e abril deste ano são os primeiros meses completos da intervenção federal no RJ no escopo estatístico do ISP. Ou seja, mesmo com a intervenção, é possível observar que os indicadores estratégicos pouco oscilaram.

O decreto que transferiu para a União a gestão da segurança pública fluminense foi publicado pelo presidente Michel Temer (MDB) em 16 de fevereiro. Desde então, o comando foi transferido para o GIF (Gabinete de Intervenção Federal) e para o CML (Comando Militar do Leste), que atuam em parceria com as polícias Civil, Militar e Federal, com a PRF (Polícia Rodoviária Federal), com a Guarda Municipal e outros órgãos.

A partir da transferência de gestão, os militares passaram a coordenar e executar operações de combate à criminalidade, além de reforçar o patrulhamento nas ruas e realizar inspeções em batalhões e outras unidades das forças policiais do Estado.

Cotidiano