Topo

Porto de Suape tem apreensão recorde de cocaína (808 kg) em carga de banana

Receita Federal
Imagem: Receita Federal

Aliny Gama

Colaboração para o UOL, em Maceió

21/06/2019 22h43

A Receita Federal apreendeu hoje 808,2 kg de cocaína escondidos em uma carga de bananas no porto de Suape, no município de Cabo de Santo Agostinho, na região metropolitana de Recife. Esta é a maior apreensão de drogas realizada na história do porto.

A cocaína apreendida foi avaliada em R$ 32 milhões. A droga estava escondida em carregamento de bananas, e os tabletes, envolvidos em pó de café. O carregamento foi distribuído em três contêineres que iam para a Bélgica, na Europa.

"Observamos que o material estava bem embalado em sacos plásticos e revestidos com pó de café para dificultar o trabalho de cães farejadores. Não havia droga em todas as caixas dos contêineres também para despistar", contou o delegado da Alfândega da Receita Federal, Carlos Eduardo Oliveira, destacando que os fiscais se surpreenderam com a quantidade de cocaína apreendida.

"Esta foi a maior apreensão desde o funcionamento de Suape", completou.

A carga ilegal foi descoberta durante fiscalização de rotina da Receita Federal. Um dos contêineres passou por um scanner de raio-x, que analisa cargas por amostragem, e a droga foi detectada. Depois disso, fiscais abriram os demais contêineres.

A Receita não informou a quem pertence o carregamento de drogas e nem a origem da carga. Até agora, ninguém foi preso. A Polícia Federal foi informada da apreensão e ficará responsável pelas investigações sobre a origem da droga.

Uma das hipóteses é de que a droga tenha vindo da Colômbia, Equador ou Peru pelo corredor Solimões, que atravessa a região Norte até portos do Nordeste. O corredor é uma das rotas fluviais de entrada de drogas no Brasil com destino a Europa.

Os contêineres estavam prontos para transporte internacional. A Receita no Recife diz acreditar que narcotraficantes escolheram a data para esconder a droga nos contêineres imaginando que a fiscalização fosse reduzida devido ao feriadão de Corpus Christi.

Mais Cotidiano