PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
2 meses
Estudante picado por naja é preso em investigação sobre tráfico de animais

Estudante de veterinária Pedro Henrique Krambeck, picado por uma cobra naja, é preso - Reprodução/Globonews
Estudante de veterinária Pedro Henrique Krambeck, picado por uma cobra naja, é preso Imagem: Reprodução/Globonews

Do UOL, em São Paulo

29/07/2020 07h27

O estudante de medicina veterinária Pedro Henrique Krambeck, que foi picado por uma cobra naja em 7 de julho, foi preso na manhã de hoje pela Polícia Civil do Distrito Federal. Ele é suspeito de integrar um esquema para a prática de crimes ambientais, como tráfico de animais.

A prisão temporária tem prazo de cinco dias e faz parte da quarta fase da Operação Snake. Na terceira fase, o amigo de Pedro que teria ocultado cobras, Gabriel Ribeiro de Moura, também foi preso temporariamente.

Segundo informações da Polícia Civil, o mandado prisão foi cumprido na residência do suspeito, na região administrativa do Guará. A 1ª Vara Criminal do Gama decretou a prisão temporária diante de indícios de que Pedro Henrique estivesse destruindo provas relacionadas a crimes ambientais apurados pela autoridade policial.

Na última semana, uma reportagem do jornal Correio Braziliense informou que uma testemunha ouvida pela polícia do Distrito Federal afirmou que Pedro Henrique, 22 anos, comprava e vendia cobras exóticas desde 2019. A testemunha, que é um conhecido do estudante, disse em seu depoimento saber que Krambeck mantinha cobras em casa e que ele as vendia ilegalmente.

Após o estudante ser picado pela naja, criada dentro do apartamento onde mora com os pais, a polícia recebeu denúncias anônimas e chegou até um haras onde havia mais 16 cobras de espécies exóticas.

A polícia suspeita de tráfico nacional ou internacional de animais, com a reprodução das cobras. Os oficiais também acreditam que o jovem, junto a outros colegas da faculdade, usava as serpentes para produzir soro antiofídico ilegalmente. O Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) aplicou R$ 78 mil em multas para a família dele.

Pedro Henrique Krambeck ficou hospitalizado por mais de uma semana e chegou a entrar em coma após o incidente. Como a cobra naja não é natural do Brasil, só existia uma dose de soro antiofídico no país para tratar a picada. O medicamento teve que ser enviado para o estudante do Instituto Butantan, em São Paulo. Originária da África e da Ásia, a naja é uma das cobras mais venenosas do mundo.

Um perito médico-legista acompanhou a diligência para verificar as condições de saúde do homem alvo da operação. Havia a notícia de ele estar com a saúde supostamente fragilizada em razão de ter recebido alta de internação em UTI há poucos dias.

O UOL entrou em contato com o advogado responsável pela defesa de Pedro Henrique e adicionará o posicionamento assim que receber uma resposta.

Cotidiano