PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
3 meses
Tornados e chuvas intensas deixam feridos e causam destruição em SC

Abinoan Santiago

Colaboração para o UOL, em Ponta Grossa (PR)

15/08/2020 12h36Atualizada em 16/08/2020 11h00

Os tornados que atingiram Santa Catarina entre ontem e hoje deixaram 830 pessoas desabrigadas, somando 16 feridos, sendo dois em estado grave, destruíram 127 imóveis, segundo informe da Defesa Civil do estado do fim da tarde deste sábado (15).

De acordo com o órgão, cerca de 4.600 residências de 22 municípios foram afetadas pelos ventos que superaram os 100 km/h nos municípios de Tangará, Ibicaré, Vargem Bonita e Catanduvas. A falta de energia atingiu pelo menos 40 mil imóveis.

A Defesa Civil manteve o alerta para o risco de chuva forte com raios e eventual queda de granizo e rajadas intensas de vento até a madrugada deste domingo (16), destacando que devido à condição de chuva forte em curto período há possibilidade de alagamentos e deslizamentos pontuais.

Casas destelhadas e caminhões tombados

Vídeos que circulam pelas redes sociais mostram parte dos estragos causados pelos fenômenos.

Em um deles, o motorista filma de dentro de um veículo vários caminhões tombados em estacionamentos às margens de uma estrada em Tangará.

Em outro, que teria sido registrado em Irineópolis, aparecem nuvens em formato de funil, caracterizando o que seria um dos tornados.

Tornados no Sul não são incomuns, diz meteorologista

Essa é a segunda vez que um tornado atinge Santa Catarina, em 2020. O primeiro foi registrado em 10 de junho, em Descanso. Na ocasião, foram mais de 500 famílias atingidas.

Segundo o meteorologista Jefferson Vilhena, em regiões tropicais e subtropicais - como é o caso de parte do Brasil - a existência de tornados não é tão rara.

"Apesar de muita gente pensar que só ocorrem nos Estados Unidos, os tornados podem ocorrer em regiões tropicais e subtropicais, principalmente quando há encontros de massas de ar. Que foi o caso desse que ocorreu em Santa Catarina", explicou ao UOL.

"Na região Norte, eles são menos intensos, e como existem mais áreas desabitadas, é mais difícil de registrar. Já no Sul do país, por ter uma maior área habitada, e grandes diferenças de temperaturas, é mais fácil de ocorrer, sendo que são mais intensos", disse.

Os ventos ainda derrubaram árvores e provocaram a obstrução de trechos da SC-453 entre Tangará e Ibicaré. A via foi liberada ainda na noite de ontem. Também estão com fluxo retomado trechos das rodovias SC-465 (entre Ibicaré e Treze Tílias), SC-350 (Caçador e Lebon Régis), SC-114 (Palmeira), SC-108 (Blumenau), SC-154 (Arabutã), SC-403 (Florianópolis) e BR-282 (Catanduvas), de acordo com a Polícia Militar Rodoviária Estadual.

Equipes do Corpo de Bombeiros e da Defesa Civil também atuam no auxílio aos moradores atingidos. Colchões e demais mantimentos foram levados aos municípios afetados.

"O atendimento para as pessoas atingidas e os feridos foram prestados pelo Corpo de Bombeiros Militar, SAMU e Polícia Militar. No primeiro momento realizamos a distribuição de lonas e demais itens de assistência humanitária estão sendo disponibilizados para a população", destacou o chefe da Defesa Civil, João Batista Cordeiro Júnior.

Cotidiano