PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
8 meses

Cadela 'adota' e amamenta oito porquinhos que perderam a mãe, em GO

Ed Rodrigues

Colaboração para o UOL, em Recife

04/02/2021 11h41

Uma cadela adotou e está amamentando oito porquinhos em Goiás. Após perderem a mãe e dois irmãos no parto, os filhotes foram acolhidos pela cachorra, que, por coincidência, acabara de parir dois cãezinhos. Cadela e porquinhos, agora, andam de um lado a outro, como uma família animal comum.

O caso ocorre na zona rural de Faina, centro de Goiás. A manicure Angelina Carvalho disse ao UOL que se surpreendeu com a adoção. "É bonitinho como eles seguem ela para todo lado. A Pantera pariu e uma semana depois nasceram os filhotes da porca. A gente trouxe os leitões para dentro de casa para alimentar eles. Mas, a princípio, a gente ficou com medo de ela os matar, porque ela é muito brava", explicou.

O instinto materno de Pantera falou mais alto. Segundo Angelina, a cachorra se afeiçoou aos leilões quase que de imediato. "Eu e meu marido pegamos um porquinho e colocamos no peito dela enquanto ela amamentava os cachorrinhos. E ela ficou cheirando ele, lambendo... Começou a cuidar mesmo. Aí, trouxemos todos. Ela agora vai atrás deles, deita para eles mamarem por conta dela mesma e cuida como se fossem dela", disse.

A manicure reveza a alimentação dos filhotes. Ela percebeu que as presas dos leilões já nasceram e que, vez por outra, ferem os seios da cadela. "Estamos deixando eles nos peitos dela mais à noite, porque ela esquenta eles. De dia, a gente dá mamadeira, que é para aliviar os peitinhos dela", acrescentou Angelina.

cadela - Arquivo Pessoal - Arquivo Pessoal
Cadela adota porquinhos
Imagem: Arquivo Pessoal

Adoção animal

Professor de Fisiologia Animal da UFRPE (Universidade Federal Rural de Pernambuco), Marcelo Teixeira explicou que o caso é interessante, mas não raro.

O especialista explicou que, durante o período de produção de leite e amamentação, toda espécie tem o instinto materno potencializado.

"Não é tão incomum como parece. Acontece porque, durante a lactação, hormônios que circulam na fêmea, além de garantir a produção de leite, criam nesses animais um instinto de preservação de crias. Já vi um caso, em Garanhuns, de uma cachorra tentando criar um bezerro", ressaltou.

"Pelo fato de a cadela estar sob a influência desses hormônios, ela não difere os cachorrinhos dos porquinhos", disse.

O professor também esclareceu que, como em outras espécies, essa relação maternal seguirá apenas durante o período de amamentação.

"Ela perde parte desse laço de mãe depois que param de mamar. Eles passam a ter uma convivência dentro da espécie."

Como a composição do leite da cachorra é diferente do leite da porca, Marcelo Teixeira alerta que é importante que os leitões tenham um acompanhamento veterinário.

"O leite da cachorra é mais concentrado e pode gerar algum distúrbio digestivo, como diarreia. Eles vão se manter alimentados, mas podem carecer de alguma suplementação", esclareceu o especialista.

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do que foi informado, é a cadela que está sob influência dos hormônios, e não a porca. A informação foi corrigida.

Cotidiano