PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
1 mês

Prefeito, primeira-dama e cantor são suspeitos de desvio milionário, diz TV

Prefeito afastado do Guarujá (SP) nega participação em desvio milionário nos cofres públicos - Reprodução/TV Globo
Prefeito afastado do Guarujá (SP) nega participação em desvio milionário nos cofres públicos Imagem: Reprodução/TV Globo

Do UOL, em São Paulo

15/05/2022 22h04

O prefeito afastado Válter Suman (PSDB) é investigado pela PF (Polícia Federal) pelo desvio de R$ 153 milhões nos cofres públicos do Guarujá, cidade localizada no litoral sul de São Paulo. O empresário Almir Mathias da Silva, que teria usado parte do dinheiro desviado da Saúde para impulsionar a sua carreira como cantor, também é suspeito de participação no esquema milionário, segundo informação do "Fantástico", da TV Globo.

Suman foi um dos alvos da 2ª fase da Operação Nacar, deflagrada no fim de abril pela Polícia Federal. Além do Guarujá, na ocasião, a PF cumpriu 55 mandados de busca e apreensão em São Paulo, Santos, São Vicente, São Bernardo do Campo, Carapicuíba, Campos do Jordão e em Brazópolis (MG). A Justiça Federal bloqueou mais de R$ 110 milhões de bens e valores dos investigados, segundo a corporação.

Os suspeitos podem responder pelos crimes de peculato, corrupção ativa e passiva, fraude em licitação, organização criminosa e lavagem de dinheiro.

Segundo a TV Globo, Mathias da Silva representava uma organização social, entidade privada sem fins lucrativos, que pode receber dinheiro público para prestar serviços à comunidade. Ele teria sido contratado pela prefeitura do Guarujá para gerenciar as principais UPAs (Unidades de Pronto Atendimento). Ele teria desviado 70% da verba recebida e parte disso usada para impulsionar a sua carreira como cantor.

"Por ser um prestador de serviços ligado à Saúde, tivemos uma relação institucional", disse o prefeito, ao ser questionado se conhecia Almir Mathias da Silva.

Mensagens recuperadas pela Polícia Federal, e que constam na denúncia apresentada, revelam o medo que o prefeito tinha de ser visto ao lado do empresário e cantor.

Investigadores também suspeitam do desvio de mais R$ 30 milhões na Secretaria de Educação do município. Esse dinheiro seria destinado para a verba da merenda. O esquema, segundo as investigações, foi liderado pelo prefeito e pela primeira-dama Edna Suman. O então secretário da pasta, Marcelo Nicolau, seria o operador.

Áudios, mensagens e notas fiscais foram descobertas pela PF no celular do ex-secretário, que hoje está com tornozeleira eletrônica.

"Não teve fraude na licitação das merendas e, em nenhum momento, o favorecimento de qualquer que seja a empresas prestadoras de serviço. Nenhum centavo [não fiquei com nenhum centavo do dinheiro da Saúde e da Educação]", se defendeu o prefeito.

O médico Válter Suman estava no segundo mandato. Em 2020, ele foi reeleito 112.672 votos. Antes de concorrer ao pleito de prefeito, ele foi vereador do município em 2006.

Cotidiano