Vulcão na Guatemala causa terror e faz lembrar Vesúvio soterrando Pompeia

Do UOL, em São Paulo

  • AFP PHOTO / PIB

    3.jun.2018 - Vulcão de Fogo entra em erupção na Guatemala

    3.jun.2018 - Vulcão de Fogo entra em erupção na Guatemala

A erupção do Vulcão de Fogo, a 35 quilômetros ao sudoeste da Cidade da Guatemala, formou rios de lava, nuvens de pedras e cinzas e devastou os vilarejos mais próximos. Tal poder de destruição levou especialistas a compará-lo ao vulcão Vesúvio, na Itália, em sua erupção no ano de 79 d.C., que soterrou a cidade de Pompeia. A erupção do vulcão na Guatemala neste domingo (3) deixou ao menos 25 pessoas mortas e afetou mais de 1,7 milhão --cerca de 10% da população do país. 

Depois de várias horas de intensa atividade, o vulcão acalmou suas erupções. As tarefas de busca dos desaparecidos vão continuar nesta segunda-feira (4). O presidente Jimmy Morales decretou três dias de luto nacional pela catástrofe.

"O impacto dessa erupção sobre a população é parecido com o de Pompeia", diz o vulcanologista Piergiorgio Scarlato, do Instituto Nacional Italiano de Geofísica e Vulcanologia. A lava do Vulcão de Fogo atingiu uma temperatura de ao menos 700ºC, derretendo tudo que encontrou pela frente, de árvores a rochas. O material vulcânico se moveu a uma velocidade de 100 km/h, provocando mortes ao chegar nos centros urbanos.

NOE PEREZ/AFP PHOTO
Policiais carregam um homem ferido após a erupção do Vulcão Fuego, a 35 km ao sul da Cidade da Guatemala
Esta é a segunda erupção do Vulcão de Fogo em 2018, mas é considerada a mais forte desde 1974. Ele é um dos mais ativos da América Central.  

Segundo o especialista, o Vulcão de Fogo gerou colunas de cinzas e gás de 3 km a 4 km, além de fluxo piroclástico, ou seja, uma mistura de gás e material vulcânico. "O Vesúvio, na erupção de 79 d.C., produziu uma coluna de gás e cinzas de 20 km a 25 km que, colapsando sobre si mesma, também gerou um fluxo piroclástico parecido com o Vulcão de Fogo", compara.  

Fabricio Alonzo/REUTERS
Soldado leva uma criança coberta de cinzas a um hospital depois que o vulcão de Fuego entrou em erupção em El Rodeo, Guatemala
Com 3.763 metros de altura, o vulcão fica entre os departamentos de Escuintla, Chimaltenango e Sacatepéquez, localizadas na região da Cidade da Guatemala, capital do país. As cinzas negras do vulcão atingiram 10 mil metros de altura e cobriram as casas dos vilarejos de San Pedro Yepocapa e Sangre de Cristo, enquanto uma coluna de fogo de 2,5 km foi vista pelos céus, o que provocou o fechamento do aeroporto internacional La Aurora, na Cidade da Guatemala.

O porta-voz da Coordenação Nacional para a Redução de Desastres, David de León, disse que ainda não foi possível contabilizar o número de pedidos de resgate, mas que cerca de 3,1 mil pessoas foram evacuadas em vilarejos vizinhos ao vulcão. 

Desabrigados relatam terror

Cerca de 3.000 pessoas foram evacuadas das cidades próximas ao vulcão. Em um albergue com 272 pessoas na cidade de Escuintla, quase metade crianças, os relatos são de assombro de quem viu de perto o fogo que desceu do vulcão e temor de não se ter para onde ir.

Johan ORDONEZ/AFP PHOTO
Residentes de várias comunidades se protegem em abrigo temporário no departamento de Escuintla, a 35 km ao sul da cidade da Guatemala
Descalço e sentado sobre uma fina manta junto com a mulher e a filha, um bebê de dois meses que dorme, Manuel López, 22, lembra o momento em que ficaram presos em sua casa por uma corrente de lava. "Tudo (material vulcânico) entrou pelas portas e janelas. Fazia muito calor, não dava para respirar, isso aqui fervia", conta.

"Conseguimos sair quebrando lâminas, cercas, passando pelas paredes, e conseguimos chegar até onde estavam os bombeiros e os soldados", contou o sobrevivente do deslizamento, acrescentando que sua outra filha, de 4 anos, foi levada para o hospital local com queimaduras nas pernas.

Nascida na região e acostumada com as constantes erupções do vulcão, Cleotilde  Reyes, conseguiu fugir momentos antes com sua filha e dois netos na caminhonete de um vizinho que as alertou sobre o deslizamento que se aproximava. "Deu medo isso", disse.

Luis Echeverria/REUTERS
O vulcão Fuego é fotografado após erupção em San Juan Alotenango, Guatemala
"Tenho medo de voltar", expressou Erick Ortiz, enquanto cuidava da mulher e dos dois filhos pequenos. Segundo ele, a família decidiu abandonar a comunidade antes, pressentindo o perigo. "Me assustei ao ver o breu que vinha para baixo e disse a ela (referindo-se à sua mulher) que saíssemos antes que nos pegasse", completou.

Efraín González, 52, não perdia a esperança de encontrar com vida seu filho de 10 anos e sua pequena de 4, desaparecidos depois do deslizamento. Ele está no albergue junto com a esposa e com a outra filha pequena. Outros, como Miguel Tilón, 45, esperam receber mais ajuda ao longo dos próximos dias. "Não temos para onde ir".

ORLANDO ESTRADA/AFP PHOTO
O vulcão Fuego em erupção, visto do município de Alotenango, a 65 km a sudoeste da cidade da Guatemala

(Com agências internacionais)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Receba por e-mail as principais notícias sem pagar nada.

Quero Receber

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos