Topo

Bolsonaro diz que 'potencializou' queimadas por nova política para Amazônia

Luciana Amaral

Do UOL, em Riad, na Arábia Saudita

30/10/2019 06h25

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) afirmou hoje em evento a investidores na Arábia Saudita que "potencializou" as queimadas na Amazônia brasileira ocorridas nos últimos meses por discordar da política ambiental de governos anteriores.

"Há poucas semanas o Brasil foi duramente atacado por um chefe de Estado europeu sobre as questões da Amazônia. Problemas que acontecem anos após anos, que é da cultura por parte do povo nativo queimar e depois derrubar parte de sua propriedade para o plantio para sobrevivência. Mas foi potencializado por mim exatamente porque não me identifiquei com políticas anteriores adotadas no tocante à Amazônia. A Amazônia é nossa. A Amazônia é do Brasil", declarou.

O chefe em questão ao qual Bolsonaro se referiu é o presidente da França, Emmanuel Macron, por aventar a discussão de internacionalização da Amazônia dentre farpas trocadas por ambos os mandatários.

Bolsonaro afirmou que, "às vezes, alguns países usam a agenda de direitos humanos para atacar ou tentar interferir na política de outro país e, por vezes, usam a política ambiental".

Como em outras oportunidades, Bolsonaro agradeceu o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, por ter defendido a soberania brasileira na Amazônia pertencente ao país em cúpula do G7 - grupo que reúne as sete maiores economias do mundo.

Na avaliação de Bolsonaro, é preciso saber explorar a biodiversidade da Amazônia com o apoio dos indígenas para que todos possam progredir, e os povos nativos não são diferentes.

De acordo com o presidente, o Brasil encerrará 2019 com a menor média de "focos de incêndio, de calor", na história do país e classificou de mentira a declaração de que a "Amazônia está pegando fogo".

"A Amazônia não está pegando fogo até porque a floresta é úmida, não tem como pegar fogo. Me acusaram lá atrás de ser desmatador, depois de ser incendiário. Agora, um derramamento de óleo criminoso na costa do Brasil que tem poluído algumas praias do nosso país", disse.

Bolsonaro defendeu que as Forças Armadas têm atuado para minimizar os impactos ambientais no litoral e o derramamento teve como objetivo "tentar imputar a responsabilidade desse crime à minha pessoa".

Internacional