Resposta de Hillary a infidelidades do marido é alvo de escrutínio em meio a eleições nos EUA

Megan Twohey

  • Paul Hosefros/The New York Times

    O então governador de Arkansas, Bill Clinton, e sua mulher, Hillary, participam de evento de campanha em Manchester (New Hampshire)

    O então governador de Arkansas, Bill Clinton, e sua mulher, Hillary, participam de evento de campanha em Manchester (New Hampshire)

Hillary Clinton estava fazendo campanha para seu marido em janeiro de 1992 quando soube da mais recente agitação na disputa: Gennifer Flowers tinha acabado de divulgar gravações de telefonemas de Bill Clinton, para apoiar a alegação dela de que tinham tido um caso.

Outros candidatos tiveram de abandonar disputas devido a acusações de infidelidade. Mas agora, em um campo de pouso frio e escuro em Dakota do Sul, Hillary Clinton estava fazendo perguntas por telefone para assessores de campanha e prometendo contra-atacar em nome de seu marido.

"Quem está acompanhando toda a pesquisa sobre Gennifer?", ela perguntou, segundo uma jornalista que viajava com ela na época.

A imagem marcante de Hillary Clinton daquela campanha foi uma entrevista no programa de TV "60 Minutes", na qual disse ao país que não estava apoiando cegamente seu marido por simples dever matrimonial. "Não estou sentada aqui, como uma mulherzinha apoiando meu homem como se fosse Tammy Wynette", ela disse.

Mas ela apoiou, guardando qualquer dor ou dúvidas para si mesma enquanto a campanha lutava para manter vivas as aspirações políticas do casal Clinton.

Na semana passada, Donald Trump, o candidato presidencial republicano, criticou Hillary Clinton pelos casos de Bill Clinton e pela forma como ela respondeu a eles, dizendo que poderia falar mais sobre o assunto nas últimas semanas antes da eleição.

Essa pode ser uma estratégia traiçoeira para Trump, dada sua própria infidelidade e tratamento questionável às mulheres. Muitos eleitores, particularmente as mulheres, poderiam ver Hillary sendo responsabilizada pela conduta de seu marido.

Também poderia fazer os eleitores se recordarem de um período difícil da história americana e da vida de Hillary.

Enfrentar a infidelidade de um cônjuge é doloroso sob quaisquer circunstâncias. Para Hillary Clinton, aconteceu repetidas vezes e das formas mais públicas, se desdobrando no alvorecer do ciclo de notícias 24 horas por dia, 7 dias por semana, e posteriormente no processo de impeachment que sacudiu o país.

Ela manteve uma aparência exterior estoica e desafiadora, defendendo seu marido à medida que uma série de mulheres e agentes conservadores bem financiados acusavam Bill Clinton de um comportamento impróprio para o líder do mundo livre.

Mas de forma privada, ela abraçou a estratégia agressiva de contra-ataque da campanha de Bill Clinton. As mulheres que alegavam ter tido encontros sexuais com Bill Clinton se transformavam em alvo de investigações e descrédito, táticas condenadas frequentemente por defensores dos direitos da mulher.

A campanha contratou um investigador particular com reputação de implacável, que assumiu a missão de, como ele colocou em um memorando, contestar "o caráter e veracidade [de Flowers] até ela ser totalmente destruída".

Rene Macura/AFP
23.jan.1998 - Gennifer Flowers dá entrevista à CNN


Em um padrão que posteriormente se repetiria com outras mulheres, a equipe do investigador revirou o Estado de Arkansas e além, coletando relatos depreciativos de ex-namorados, empregadores e outros que alegavam conhecer Flowers, relatos que a campanha então disseminava pela mídia de notícias.

Quando Bill Clinton finalmente reconheceu ter tido "relações sexuais" com Flowers anos depois, os assessores de Clinton tinham usado as histórias coletadas pelo investigador particular para rotulá-la como "bimbo" (garota atraente, mas burra) e "mentirosa patológica".

O nível de envolvimento de Hillary Clinton nesse esforço, como descrito em entrevistas, documentos de campanha e arquivos, ainda é tema de debate. Segundo alguns relatos, ela deu sinal verde e foi uma força motivadora; segundo outros, o apoio dela não foi mais do que um consentimento tácito.

O que está claro é que Hillary Clinton estava em uma posição difícil. Ela tinha ciência de que seu marido já a tinha traído anteriormente, mas segundo o relato dela, ela também acreditou nele quando negou as acusações feitas por Flowers e outras.

Mickey Kantor, o diretor da campanha de Bill Clinton de 1992, disse que Hillary Clinton queria separar fato de ficção e avaliar as mulheres que faziam as acusações.

"Digamos que a mulher fez no passado algumas coisas questionáveis", disse Kantor. "Você não gostaria de saber e avaliar?"

Ao mesmo tempo, um crescente número de grupos e veículos de mídia conservadores começou a se concentrar na questão. Hillary Clinton via os ataques como uma cruzada política que exigia uma resposta política dura, disseram pessoas próximas dela.

E essa determinação em contra-atacar inspirou outros na campanha a fazer o mesmo.

"Ela é uma bombeira correndo na direção do fogo", disse Kantor, "não para longe dele".

Hillary Clinton e seu marido se recusaram a ser entrevistados e a campanha dela não respondeu às perguntas sobre o apoio dela aos esforços para desacreditar as mulheres. "O país encerrou esse assunto 20 anos atrás e não há nada de novo aqui", disse o porta-voz dela, Brian Fallon, em uma declaração.

A campanha dela também divulgou declarações de James Carville, o principal estrategista de campanha de Bill Clinton, e de dois advogados que trabalharam para o ex-presidente, dizendo que Hillary não supervisionou os contra-ataques.

"Aqueles que lideraram a resposta àqueles ataques na época declararam de forma bem clara que Hillary Clinton não dirigiu o trabalho deles", disse Fallon.

Neutralizando as insinuações

Quatro anos após Gary Hart ter deixado a disputa presidencial em meio à especulação sobre um caso extraconjugal, toda acusação de mulherengo era vista como uma ameaça mortal à campanha de Bill Clinton.

Stanley Greenberg, um especialista em pesquisas para a campanha que elaborou com o casal Clinton em 1991 uma estratégia para lidar com os rumores de infidelidade, lembrou do reconhecimento por Hillary de que seu marido foi infiel.

"Foi uma reunião desconfortável", disse Greenberg em uma entrevista para uma história oral sobre a presidência de Bill Clinton, realizada pelo Centro Miller da Universidade da Virgínia. "Eu me recordo de Hillary dizendo que, 'obviamente, se eu pudesse dizer não a esta questão, diríamos não, e, portanto, há um problema'."

Semanas depois, os primeiros problemas surgiram com um artigo na revista "Penthouse", por uma groupie de rock chamada Connie Hamzy, que alegava que Bill Clinton a tinha assediado em um hotel em Little Rock, Arkansas.

Bill Clinton rebateu a história, dizendo que Hamzy é quem o assediou, lembrou George Stephanopoulos, diretor de comunicações da campanha de 1992, em seu livro "All Too Human" (Tudo Muito Humano, em tradução livre, não lançado no Brasil).

Mas Hillary Clinton exigiu ação.

"Temos de destruir a história dela", ela disse, segundo Stephanopoulos.

No que se tornaria uma tática comum, declarações juramentadas foram coletadas, de um assessor e dois outros que declararam que estavam com Bill Clinton no hotel e que a história de Hamzy era falsa. (Contatada recentemente, Hamzy disse que mantém seu relato.)

Quando o trabalho foi concluído, o casal Clinton ligou para Stephanopoulos para agradecer.

Uma acusação explosiva

A história de Gennifer Flowers caiu como uma bomba semanas antes da eleição primária de New Hampshire.

Flowers, uma cantora de bar e funcionária pública estadual de Arkansas na época, vendeu à revista "Star" sua história alegando ter tido um caso com Bill Clinton que durou mais de 10 anos.

Em uma reunião com assessores, o casal Clinton preparou uma defesa unificada que apresentaram na entrevista para o programa "60 Minutes".

Com Hillary Clinton concordando com a cabeça, Bill Clinton reconheceu para o público da TV ter "causado dor em meu casamento", mas negou um caso com Flowers. Hillary professou compaixão por Flowers, dizendo que ela se deixou levar por rumores, mas que não era culpa dela.

Mas em uma coletiva de imprensa no dia seguinte, Flowers reafirmou suas alegações, tocando trechos de telefonemas de Bill Clinton. Os dois podiam ser ouvidos discutindo a atenção que os rumores estavam recebendo e ela brincou sobre os talentos sexuais dele.

Antecipando a coletiva de imprensa em Dakota do Sul, Hillary orientou um assessor a colocar Bill Clinton no telefone, lembrou Gail Sheehy, uma jornalista que viajava com ela, em uma entrevista recente.

"Foi uma reação sem surpresa, mas de imediata fúria e ação", disse Sheehy, que também descreveu suas observações em um artigo para a revista "Vanity Fair" naquele ano. "Não era uma fúria contra Bill, mas contra Flowers, a imprensa e os republicanos."

De volta ao avião naquela noite, Hillary disse a Sheehy que se ela inquirisse Flowers em frente a um júri, "eu a crucificaria".

Explicando o comportamento dele

Anos depois, Hillary Clinton disse que achava que seu marido tinha superado suas fraquezas no final dos anos 1980. O comentário foi feito em uma entrevista para a revista "Talk" em 1999, depois que o escândalo de Monica Lewinsky quase pôs fim a sua presidência.

Naquela entrevista, assim como em conversas na época com uma amiga, Diane Blair, ela explicou o comportamento de seu marido: estava enraizado na infância dele, quando se sentia pressionado a agradar duas mulheres, a mãe e a avó, que o disputavam; ele estava sob grande estresse; ela mesma não atendia às necessidades emocionais dele.

"Ela acha que não é inteligente o bastante, sensível o bastante, não livre o bastante de suas próprias preocupações e dificuldades para perceber o preço que ele estava pagando", escreveu Blair em suas anotações sobre as conversas.

E, aos olhos de Hillary, os encontros de seu marido com Lewinsy "não foram sexo com qualquer significado real", ela disse para Blair.

Paul Hosefros/The New York Times
Hillary Clinton durante as primárias de New Hampshire, em 1992


Mas em 1992, essa devoção resoluta a Bill Clinton teve um efeito importante. Ela deixou uma impressão duradoura em todos em torno do casal e ajudou a impedir que a campanha ruísse.

Ela não vacilou, nem mesmo quando seu assessor, Richard Mintz, lhe disse que teria que ligar para Wynette, que se ofendeu com a referência no "60 Minutes".

"Era o que ela queria fazer? Não", disse Mintz em uma entrevista. "Mas ela se manteve firme. Ela manteve a compostura e resiliência."

"Foi a semana mais dura que você poderia imaginar."

A investigação começa

Semanas depois, um pequeno grupo de assessores de campanha, juntamente com Hillary, se reuniu na mansão do governador em Little Rock, e tomou uma decisão crucial: eles contratariam Jack Palladino, um investigador particular conhecido por táticas como fazer gravações clandestinas e empregar mulheres atraentes para extrair informação.

E um assessor de campanha, que se recusou a ser identificado publicamente por não estar autorizado a falar pelos Clintons, disse que Hillary estava entre aqueles que discutiram e aprovaram a contratação, que mudou a campanha para uma postura mais agressiva.

Kantor, o diretor da campanha, disse que não sabia se Hillary tinha especificamente aprovado a contratação de Palladino com outro assessor lembrou. Mas ele disse que ela via a necessidade de ajuda de fora.

"Ela acreditava que precisávamos lidar com a questão diretamente", disse Kantor.

Palladino, que não respondeu aos pedidos de entrevista, respondia a James Lyons, um advogado que trabalhava para a campanha. Em um memorando enviado por ele para Lyons, em 30 de março, Palladino propôs uma pressão plena sobre Flowers.

"Todo conhecido, empregador e antigo namorado deve ser localizado e entrevistado", escreveu Palladino. "Agora ela é um ícone reluzente, dizendo mentiras que provaram ser benéficas e sem custo, para todas as pessoas oportunistas que possam estar considerando tornar Clinton um alvo."

Logo, Flowers soube por ex-namorados e outros que disseram que tinham sido contatados por um investigador particular.

"Eles diziam que ele tentava manipulá-los", lembrou Flowers, "ou fazê-los dizerem coisas como eu ser sexualmente ativa".

Karen Steele, que trabalhou com Flowers no Roy Clark Celebrity Theater em Branson, Missouri, estava entre aqueles que receberam uma visita. "Eu me recordo de ter sido questionada sobre os irmãos que eu e Gennifer certa vez namoramos", ela disse. "Não foi agradável."

Partindo para a ofensiva

A informação obtida por Palladino foi dada a Betsey Wright, uma ex-chefe de gabinete de Bill Clinton em Arkansas que, com o apoio de Hillary, foi encarregada de cuidar das acusações de infidelidade.

"Betsey Wright cuidava de quaisquer que fossem esses assuntos", disse Susan Thomases, uma amiga do casal Clinton que trabalhou na campanha, para o projeto de história oral. "E foi muito confortável, porque Hillary a deixou cuidar disso."

Por meio de Wright, as investigações sobre Flowers e outras mulheres seriam repassadas para os repórteres.

Wright se recusou a ser entrevistada, dizendo por e-mail: "É repreensível que o 'New York Times' esteja se juntando ao "National Enquirer" e a Donald Trump para dragar lodo irrelevante do passado.

Na época, Wright exaltou ao "Washington Post" o sucesso de Palladino em neutralizar o que memoravelmente chamou de "erupções de bimbos", e por desarmar duas dúzias de acusações de casos, que ela argumentou serem falsas.

Na história de capa da edição da "Penthouse" na qual Flowers posou nua (ela ganhou pelo menos US$ 500 mil vendendo sua história para veículos da mídia), Wright apresentou as alegações sobre ela reunidas por Palladino, incluindo "chamar atenção, tentativa de chantagem, fabricação de um caso de 12 anos com Clinton para salvar uma carreira fracassada como cantora".

Wright leu para o repórter da "Penthouse" uma declaração, obtida por Palladino, de que "quando o mais rico de seus muitos amantes não quis deixar sua esposa, ou lhe dar mais dinheiro, ela encenou uma tentativa de suicídio com vinho e Valium".

A própria Hillary disparou contra Flowers em uma aparição de junho de 1992 no programa "The Arsenio Hall Show", mais lembrado por Bill Clinton tocando saxofone. Hall perguntou a Hillary sobre Flowers: "Você sabe qual é o problema dela?"

"Ela tem muitos problemas", disse Hillary.

Flowers negou as acusações contra ela, chamando a história do suicídio, em particular, de "falsa e cruel".

Bill Clinton reconheceu posteriormente, durante um depoimento no caso de assédio sexual de Paula Jones, que fez sexo com Flowers uma vez.

"Você pode acreditar que Hillary Clinton queria proteger seu marido e achava que ele estava sendo acusado injustamente", disse Kantor. "Mas ela sabe mais hoje do que sabia na época? É claro."

Tradutor: George El Khouri Andolfato

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos