A "deusa" Yi Wan Ka: filha de Trump é um sucesso na China

Javier C. Hernández

Em Pequim (China)

  • Sim Chi Yin/The New York Times

    Wang Ge, aluna na Cheung Kong Graduate School of Business e fã de Ivanka Trump, em Pequim, na China

    Wang Ge, aluna na Cheung Kong Graduate School of Business e fã de Ivanka Trump, em Pequim, na China

Quando Wang Ge, uma estudante da faculdade de administração, acorda, ela costuma se perguntar: "O que Ivanka faria?"

Ela fala de Ivanka Trump, a filha mais velha do presidente Donald Trump, uma mulher com a qual Wang nunca se encontrou, mas adora.

Nos Estados Unidos, Ivanka Trump se transformou em uma figura controversa, combatendo questões persistentes a respeito de conflitos de interesse e críticas por não fazer mais para moderar as políticas de seu pai em relação às mulheres.

Mas na China, ela é amplamente adorada. Seu estilo de vida opulento e sagacidade para os negócios têm apelo junto a muitas jovens profissionais, ávidas por fama e fortuna em uma sociedade que costuma igualar riqueza material com sucesso.

Wang mantém fotos de Ivanka Trump em seu iPad. Ela aconselha amigas esgotadas a lerem as dicas de autoajuda de Ivanka ("Encontre força nos outros" e "Seja otimista"). E modela seu dia no de Ivanka, acordando às 6h para aumentar a produtividade e destinando ao menos meia hora para leitura.

"Ela é linda, tem sua própria carreira, trabalha duro e tem uma família bonita", disse Wang, 26 anos, estudante da Escola de Administração e Negócios Cheung Kong, em Pequim. "Ela me inspira."

Enquanto Donald Trump, que inicia na quinta-feira um encontro na Flórida com o presidente chinês Xi Jinping, tem criticado a China em questões como comércio e Coreia do Norte, Ivanka tem ajudado a atenuar a imagem vulcânica do pai.

Ela é chamada de "deusa" nas redes sociais. Um vídeo da filha dela cantando em chinês se tornou viral, atraindo dezenas de milhões de visualizações. Mães que trabalham fora se agarram ao seu estilo de feminismo que não abre mão de nada, mesmo que a maioria careça de seus recursos financeiros, e empreendedores estudam seus discursos em busca de dicas para fazer propostas de negócios bem-sucedidas.

A "Xinhua", a agência de notícias oficial, opinou na semana passada, descrevendo Ivanka como tendo "um estilo elegante e equilibrado".

"Muita gente acha que Ivanka é a verdadeira presidente", disse Li Moya, 31 anos, que administra um aplicativo para aluguel de espaço em Pequim. "Achamos que ela é o cérebro, não o pai dela."

Mulheres chinesas jovens que trabalham em setores como tecnologia e finanças são as especialmente atraídas pela filha do presidente, que veem como um símbolo elegante de poder e ambição. Elas dizem que buscam imitar a tenacidade e confiança dela ao enfrentarem o chauvinismo e estereótipos no trabalho e na vida familiar.

Stephen Crowley/The New York Times
Ivanka Trump chega com seu marido, Jared Kushner, e seus filhos, a West Palm Beach, na Flórida


Muitas também se impressionaram com sua decisão de lançar sua própria grife de moda em vez de simplesmente se concentrar nos negócios imobiliários da família.

"Ela é muito independente", disse Wang Jiabao, 28 anos, uma produtora de reality show em Pequim. "Ela representa o que estamos procurando, entrar por meio do casamento em uma família decente, ter boa aparência e também a própria carreira."

Algumas pessoas também acreditam que Ivanka Trump personifica os valores confucianos, apontando para sua decisão de se converter ao judaísmo por seu marido e sua defesa resoluta de seu pai, ambas vistas como exemplos de devoção à família.

Nos estressados centros urbanos da China, suas dicas para levar uma vida equilibrada ("Não durma com seu BlackBerry ao lado da cama", diz uma) encontraram uma grande audiência.

Nos aplicativos de mensagens, jovens profissionais trocam traduções de seus guias de autoajuda, enquanto mães que trabalham fora compartilham seus conselhos sobre arrumar tempo para os entes queridos.

Empresas chinesas também tentam lucrar com a popularidade de Ivanka Trump, dando entrada a centenas de pedidos de registros de marca usando seu nome (Yi Wan Ka, em chinês) para produtos e serviços como calçados, spas, cirurgias plásticas e cerâmica.

Mesmo assim, ela tem seus críticos. Alguns estão céticos em relação às políticas do pai dela e perturbados com sua decisão de ingressar no governo dele, no qual serve como assistente do presidente. Outros acreditam que como filha do privilégio, ela é um exemplo ruim para os chineses comuns.

"Ela tenta demais e finge demais", disse Shi Yixuan, 22 anos, uma funcionária administrativa da Universidade de Pequim.

Mas muitas mulheres veem atributos chineses reconhecíveis.

"Por trás da imagem dela há valores muito tradicionais", disse Dai Linjia, uma consultora de comunicações. "A família dela é quase como uma dinastia."

Apesar do pai dela ter ameaçado uma guerra comercial com a China e criticado os esforços chineses para construção de postos avançados no Mar do Sul da China, Ivanka Trump e seu marido, Jared Kushner, iniciaram uma ofensiva de charme no país.

Ajuda o fato de a filha dela, Arabella, falar chinês, que ela começou a aprender com sua babá chinesa. Ivanka e Arabella participaram da festa do Ano Novo Lunar na embaixada chinesa em Washington, em fevereiro, um evento exibido no noticiário do horário nobre na China.

Na terça-feira, dois dias antes do encontro do pai dela com Xi, Ivanka postou uma foto de seu filho mais novo, Theodore, brincando com blocos de madeira com caracteres chineses.

Analistas disseram que a popularidade dela poderia ajudar a relaxar o relacionamento entre a China e os Estados Unidos em um momento tenso.

"O pai dela é um crítico constante da China, de modo que Ivanka meio que compensa isso", disse Shi Yinhong, um professor de relações internacionais da Universidade Renmin, em Pequim. "O governo chinês verá que há mensagens tanto ruins quanto positivas saindo dos Estados Unidos."

Muitos chineses mais jovens acompanharão o encontro desta semana entre Donald Trump e Xi à procura de sinais de Ivanka Trump.

Wang, a estudante de administração, disse esperar que Ivanka possa ajudar a melhorar a posição da China nos Estados Unidos.

"Ela é um bom exemplo", ela disse. "Acho que ela pode ajudar a aproximar mais os dois países."

Tradutor: George El Khouri Andolfato

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos