Quem é o popstar russo por trás da reunião de Donald Trump Jr.?

Joe Coscarelli

  • Mikhail Metzel/ AP

    2.jun.2011 - O músico Emin Agalarov, filho de Aras Agalarav, em uma festa em Moscou, Rússia

    2.jun.2011 - O músico Emin Agalarov, filho de Aras Agalarav, em uma festa em Moscou, Rússia

Após anos tentando fazer sucesso internacionalmente, o cantor russo Emin Agalarov finalmente quebrou a barreira dos Estados Unidos. Infelizmente, não por causa de sua música.

Emin, que é conhecido no meio artístico só pelo primeiro nome, se viu lançado para a frente dos holofotes americanos esta semana não por suas faixas dançantes baratas de Europop ou suas interpretações de clássicos que poderiam estar em Las Vegas, mas por causa de seu papel de destaque na organização da reunião de Donald Trump Jr. com uma advogada russa que supostamente teria informações comprometedoras sobre Hillary Clinton durante a campanha presidencial de 2016.

Rob Goldstone, assessor de imprensa de Emin, disse que cuidou da logística da reunião na Trump Tower no ano passado por ordens do cantor pop de 37 anos, que é filho e sócio do magnata bilionário do setor imobiliário Aras Agalarov. As famílias Agalarov e Trump ficaram amigas devido a colaborações em negócios feitas no passado, uma delas a realização do concurso de Miss Universo --na época de propriedade de Donald Trump sênior-- em Moscou no ano de 2013. Também foram discutidos planos para a construção de uma Trump Tower na capital russa, embora não tenham se concretizado.

As conexões não param por aí. O presidente também impulsionou publicamente a carreira musical de Emin, contratando-o para a inauguração de um campo de golfe, segundo o cantor, e até mesmo fazendo uma aparição no seu vídeo clipe de 2013 para a música "In Another Life" com o bordão do programa "O Aprendiz", "You're fired!" (você está demitido!).

O fato de um cantor/incorporador imobiliário estrangeiro aspirante a Elvis ter ido parar no meio de um possível escândalo presidencial demonstra a substancial sobreposição entre figuras poderosas do entretenimento, dos negócios e da política, especialmente na Rússia. Emin em si não é conhecido como operador político, mas os Agalarov apoiaram a candidatura de Trump e têm muitos contatos no governo russo, que, segundo as agências de inteligência americanas, teria interferido nas eleições dos Estados Unidos.

A história pessoal de Emin transcende fronteiras também: assim como Donald Trump Jr., ele é herdeiro de um império imobiliário com muito dinheiro e contatos --além de um talento para atiçar a mídia-- que o ajudaram a legitimar seus empenhos criativos.

Filho de Trump se reuniu com russa buscando prejudicar Hillary; entenda

"Nem todos os oligarcas podem dizer que viraram um genuíno popstar", disse Boris Barananov, um crítico musical do jornal russo "Kommersant". "Emin encontrou seu próprio repertório que lhe permitiu se livrar da imagem de um bilionário que canta".

Mas a parte do bilionário era real.

Origens privilegiadas

Nascido em Baku, no Azerbaijão (na época parte da União Soviética), em 1979, Emin se mudou para Moscou com sua família aos 4 anos de idade, de acordo com sua biografia corporativa. Ele frequentou escolas na Suíça e em Nova Jersey, onde seu interesse pela música desabrochou.

"Eu andava de lambreta, ouvia Elvis e tentava me vestir como ele", Emin contou ao "The Chicago Tribune" em uma entrevista publicada em maio. "A escola inteira tirava sarro de mim porque eu pensava que era o novo Elvis russo do pedaço".

Depois de se formar na Marymount Manhattan College em setembro de 2001, Emin voltou para a Rússia para trabalhar com seu pai, cujo Grupo Crocus é conhecido por construir shopping centers em toda Moscou. O Agalarov pai, um dos homens mais ricos da Rússia, tem ligações próximas com o presidente Vladimir Putin, que o condecorou com a Ordem de Honra, uma alta distinção civil, em 2013. Emin consta como vice-presidente do Grupo Crocus.

Uma guinada para a música

Em 2006, Emin lançou seu primeiro álbum, "Still", que trazia vocais em inglês pensando nos mercados europeus ocidentais. Ao longo dos quatro anos seguintes vieram quatro outros álbuns --"Incredible", "Obsession", "Devotion" e "Wonder"-- com colaboradores cada vez mais prestigiosos, inclusive o produtor britânico Brian Rawling (Enrique Iglesias, Rod Stewart).

Mas se consolidar na Europa se mostrou complicado, e após um sexto álbum em inglês, Emin voltou seu foco para a Rússia, onde ele ganhou um certo séquito, especialmente entre membros da diáspora azeri.

Embora seu canal no YouTube, EminOfficial, tenha menos de 80 mil seguidores --em comparação, a cantora britânica Rita Ora tem cerca de 1,4 milhões-- ele mantém postagens populares em mídias sociais como o Twitter (332 mil) e o Instagram (721 mil), onde exibe suas conexões e seu estilo de vida exuberante. (Recentemente, ele apresentou um alter ego, Jose Mamedov, um espião de bigode, cabelo esvoaçante e terno branco.)

"Ele não está na primeira divisão do showbiz russo", disse Nikolai F. Uskov, editor-chefe da "Forbes Russia", que disse que a música era uma espécie de hobby para Emin. Contudo, "ele tem boa aparência e sabe se mexer quando canta", disse Uskov. "Ajuda o fato de ele ter estrelas do showbiz como amigos; eles o apoiam". E, acrescentou, "a imprensa é muito amigável com ele".

Os Trump, e mais

Embora não tenha conseguido entrar na primeira divisão musical, Emin conseguiu fazer parcerias com alguns dos melhores, dividindo palcos e estúdios com Jennifer Lopez, David Foster e Nile Rodgers, líder da banda Chic, que fez uma participação em "Boomerang", onde Emin parece tentar imitar Robin Thicke. A faixa alcançou a nona posição na categoria dance do ranking da Billboard em 2015.

Com seu extenso catálogo de músicas pop típicas de clubes e baladas à la Engelbert Humperdinck --ele já foi chamado de "o Ricky Martin russo"-- Emin também se apresentou no Eurovision Song Contest (sua sogra na época dirigia o comitê de organização) e no World Music Awards. Ele fez uma turnê em parte dos Estados Unidos, incluindo shows recentes em Miami, Los Angeles e Nova York. No ano passado, a PBS exibiu um especial com a participação de Foster, gravado em São Petersburgo, na Rússia.

Mas foram as associações não musicais do cantor que mais repercutiram. Até 2015, Emin era casado com Leila Aliyeva, filha do presidente Ilham Aliyev do Azerbaijão. (O projeto de um hotel dos Trump no país foi chamado de "o pior negócio" de Trump, embora a família Agalarov tenha negado qualquer envolvimento.)

E tem a primeira-família.

Após o acordo de 2013 de trazer o Miss Universo para Moscou e a aparição de 15 segundos de Trump no vídeo de Emin "In Another Life", com temática relacionada a concursos de miss, a dupla manteve contato, os dois se visitaram pessoalmente e trocaram mensagens carinhosas pela internet.

Em janeiro de 2017, a revista do Grupo Crocus, "Time to Eat", trouxe na capa uma foto de Emin, seu pai e Trump, juntamente com uma foto central celebrando a ascensão do político novato.

"Agora que ele concorreu e foi eleito, ele não se esquece de seus amigos", contou Emin à "Forbes" em uma entrevista de março, falando ainda de uma possível Trump Tower em Moscou, "se ele não tivesse concorrido provavelmente estaríamos na fase de construção hoje".

Trump também tornou públicas suas afeições. Após as eleições de novembro, Emin repostou no Instagram um vídeo de aniversário que ele havia recebido do magnata dois anos antes.

"Você é um vencedor, você é um campeão, você é ótimo no mercado imobiliário", disse Trump, "e como você sabe entreter!"

* Com reportagem de Neil MacFarquhar e Ivan Nechepurenko (Moscou).

Entenda o envolvimento da Rússia na política americana

Tradutor: UOL

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos