Topo

Mamãe Falei diz que está de saída do DEM por candidatura à Prefeitura de SP

3.jul.2019 - O deputado estadual Arthur do Val (DEM-SP), mais conhecido como o youtuber Mamãe Falei, em entrevista ao UOL  - Carine Wallauer/UOL
3.jul.2019 - O deputado estadual Arthur do Val (DEM-SP), mais conhecido como o youtuber Mamãe Falei, em entrevista ao UOL Imagem: Carine Wallauer/UOL

Aiuri Rebello

23/08/2019 17h02Atualizada em 23/08/2019 18h19

O deputado estadual Arthur do Val (DEM-SP), que ficou famoso na internet como o youtuber Mamãe Falei, afirma que está de saída do DEM para conseguir ser candidato à Prefeitura de São Paulo nas eleições do ano que vem.

Quero muito ser candidato a prefeito no ano que vem, estou focado nisso, e sei que no DEM essa possibilidade não existe. É por isso que estou estudando uma forma de sair do partido que seja amigável e legal, tenho uma relação boa com o pessoal do DEM, mas preciso seguir meu caminho.

O deputado avalia a melhor forma de conduzir a situação sem perder o mandato, o que aconteceria se ele saísse espontaneamente do partido. "Ser expulso eu não quero e perder o mandato também não, porque não acho justo. Vamos ver se há solução."

"Eu nunca apoiaria uma candidatura do PSDB, principalmente do Bruno Covas, que considero o pior prefeito na história da cidade junto com o petista Fernando Haddad."

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB-SP), e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), anunciaram parceria entre os partidos para as eleições de 2020. Ambos afirmaram que as siglas caminharão juntas também em 2022.

Na quinta, o UOL revelou que dirigentes do PSDB, do DEM e do PSD começaram a conversar sobre uma fusão dos três partidos em um só, se possível até as eleições presidenciais e para governador de 2022.

"Não sabia dessa movimentação, mas não me senti traído como alguns colegas. Nunca esperei nada dessas pessoas", diz.

O deputado afirma que ainda não possui uma sigla certa para se transferir. Diz que vem conversado com dirigentes de diversas legendas, mas ainda não há um convite formal na mesa.

"Eu sou obrigado a ser filiado a algum partido para poder me candidatar, então vou ter que resolver isso. Por mim, um dos maiores absurdos do Brasil é que candidaturas independentes não são permitidas. Se fosse, eu não pertenceria a nenhum partido."

Mais Política