PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
1 mês

Municípios cobram que governo compre vacinas e retome Auxílio Emergencial

Pagamento do Auxílio foi encerrado no final do ano passado - Rafael Henrique/Getty Images
Pagamento do Auxílio foi encerrado no final do ano passado Imagem: Rafael Henrique/Getty Images

Colaboração para o UOL

27/01/2021 15h20

A CNM (Confederação Nacional de Municípios) divulgou hoje uma carta para cobrar o governo federal por causa da segunda onda de covid-19. A entidade pediu mais compras de vacinas, o retorno do Auxílio Emergencial e fez outras propostas.

De acordo com a CNM, "o que está acontecendo na Região Norte do Brasil é a prova do recrudescimento da grave crise sanitária que assola a todos os Estados e que exige a adoção de medidas urgentes".

A medida mais importante, de acordo com o comunicado, é a vacinação em massa. "É o único caminho para superar a crise sanitária e possibilitar a retomada do desenvolvimento econômico e social do país".

Os municípios reclamaram da ausência de um planejamento efetivo e transparente sobre vacinas. Segundo eles, isso "impede a previsibilidade na ampliação da demanda pelos serviços de saúde". Também pediram que esse assunto não envolva promoção de disputas políticas.

Em relação ao Auxílio Emergencial, a CNM entendeu que "é necessário um extremo esforço fiscal", mas ressaltou a importância desse pagamento mensal para famílias mais vulneráveis.

"A dificuldade na retomada das atividades econômicas em função da segunda onda da pandemia e a consequente não recuperação dos postos de trabalho, requerem a manutenção dos benefícios, que são cruciais para milhões de pessoas em situação de vulnerabilidade e um fôlego para a combalida economia, promovendo maior circulação de recursos e a consequente geração de impostos", manifestou o órgão.

A CNM também pediu prorrogação do decreto de estado de calamidade pública no Brasil. Isso foi feito no início da pandemia e, segundo o órgão, "trouxe enormes benefícios de ordem legal e burocrática para o enfrentamento da pandemia de covid-19".

Outra medida sugerida é a linha de crédito para o pagamento de precatórios, conforme previsto em Emenda Constitucional. "Além de injetar recursos na economia, a proposta promove fôlego fiscal aos municípios, sem risco para a União, visto que tem como garantia o FPM (Fundo de Participação dos Municípios) e outras transferências federais".

Por fim, a CNM pede o parcelamento especial das dívidas com o RGPS (Regime Geral de Previdência). Em 2020 a cobrança desses débitos foi suspensa. Se nada for feito, segundo os municípios, centenas de cidades ficarão sem capacidade de investimento, pois os repasses serão utilizados apenas para pagamento dessas dívidas.

Política