PUBLICIDADE
Topo

Política

Petistas criticam Moro 'fora da lei'; Feliciano diz que 'crime compensa'

O ex-juiz Sergio Moro foi considerado suspeito em julgamento de Lula - Miguel Schincariol/AFP e Sérgio Lima/AFP
O ex-juiz Sergio Moro foi considerado suspeito em julgamento de Lula Imagem: Miguel Schincariol/AFP e Sérgio Lima/AFP

Do UOL, em São Paulo

22/04/2021 19h27

Políticos repercutiram a decisão de hoje do plenário do STF (Supremo Tribunal Federal) que formou maioria para considerar que o ex-juiz Sergio Moro foi parcial em julgamento do ex-presidente Lula. Enquanto apoiadores do petista comemoraram a decisão, defenderam a candidatura dele em 2022 e chamaram Moro de "fora da lei", opositores de Lula afirmaram que resultado é vitória da impunidade.

A presidente do PT, Gleisi Hoffmann, afirmou que a maioria do STF "fez justiça". "Valeram 5 anos de luta!", comemorou.

Fernando Haddad, que assumiu a disputa à presidência quando Lula foi impedido de disputar as eleições em 2018, disse que com a decisão de hoje era possível concluir que a eleição de 2018 foi fraudada por Moro.

Por outro lado, o deputado federal pastor Marco Feliciano (Republicanos-SP) falou que o posicionamento do Supremo mostra que "no Brasil, o crime compensa".

Autor do pedido que levou o ministro do STF Luís Roberto Barroso a determinar a implantação da CPI da Covid, o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) afirmou que a corte não pode mudar a história. "O Brasil não vai esquecer as malas de dinheiro, as confissões e os bilhões roubados. Vamos lembrar todos os dias desses bandidos que usaram o poder político para enriquecer às custas do sofrimento do povo. #STFVergonhaNacional", escreveu.

Veja outras manifestações sobre a decisão do STF:

Política